Para cima !


Provérbios 15.24 Para o sábio há o caminho da vida que o leva para cima, a fim de evitar o inferno, embaixo.


Em Lucas 13.11 Jesus encontra uma mulher que há 18 anos andava encurvada, olhando para baixo devido a uma enfermidade. Ele cura esta mulher e ela tem novamente a oportunidade de olhar para cima novamente.

Encurvado e olhando para baixo é enxergar a nossa natureza terrena. E olhar para as nossas fraquezas e impossibilidades.

Mas olhar para cima é enxergar a nossa constituição. É enxergar o céu. E como filhos de Deus podemos crer em impossíveis e em milagres.


Salmo 121 Elevo os olhos para os montes: de onde me virá o socorro? O meu socorro vem do SENHOR, que fez o céu e a terra.

Ande olhando para cima! Para o autor e consumador da fé! Jesus!

Azorrague


Azorrague pode ser sinônimo de açoite, espécie de chicote, ou látego, usado para a aplicação de flagelo em condenados. Na Roma antiga ele era também um instrumento de tortura comum, usado pelos soldados, para supliciar os condenados. Ele era composto por oito tiras de couro que, em cada ponta, possuía um instrumento pérfuro-cortante, ou um pedaço de osso de carneiro. Tinha seu uso aplicado como pena subsidiária, nalguns casos, onde o condenado à morte deveria ser antes objeto do castigo público.

Este instrumento aparece nas mãos de Jesus conforme conta o evangelho de João onde Jesus trança um azorrague para com ele expulsar os cambistas do templo. É interessante o que diz o texto bíblico: “Então ele fez um chicote de cordas e expulsou todos do templo” (João 2.15).

O texto chama atenção para o fato de que o próprio Jesus fez para si um azorrague. Percebe-se que Jesus primeiro toma consciência do que estava ocorrendo no templo, e então ele dedicou um tempo trançando um açoite antes de expulsar aqueles homens que inflacionavam a Fé. Não se sabe exatamente o que passava pela mente de Jesus naquele momento, mas creio que enquanto ele trançava seu azorrague, provavelmente ele meditava em tudo aquilo que seus olhos viram acontecendo no templo, e interiormente se indignava com aquela situação.

Particularmente creio que foi assim com Jesus, pois atualmente também constatamos comportamentos absurdos entre o povo de Deus, e por isso vou entrelaçando essas palavras e frases tal como as tiras de um azorrague, enquanto medito na realidade que meus olhos vêem e interiormente também me revolto contra o atual comércio da fé.

O motivo pelo qual Jesus expulsou tais comerciantes do templo foi porque eles inflacionavam a fé, uma vez que se aproveitando da necessidade que os judeus tinham de oferecer sacrifícios, eles formavam um sistema de monopólio e colocavam altos valores nos produtos, causando assim opressão, empobrecimento de muitos, e exclusão, pois desta forma os pobres não poderiam ofertar a Deus.

Com isso também se observa que milênios antes da implantação da sociedade capitalista no mundo ocidental, este espírito ganancioso, o qual visa o lucro pela exploração do homem, este espírito capitalista sempre esteve presente no mundo.
Entretanto sabe-se que pela lei de Moisés era permitido aos judeus comprar e vender na área do templo, porque nem sempre o animal para o sacrifício chegaria em boas condições para ser oferecido no altar (Deuteronômio 14.24-26).

Por isso o que foi confrontado por Jesus, não foi o comércio em si, mas os cambistas ou mercadores que inflacionavam o preço dos produtos a serviço da fé. Por exemplo, se um estrangeiro ou judeu, no norte do país, vendia localmente suas ovelhas e o cereal, pois o caminho era demasiadamente longo, e esperava comprar os mesmos produtos para ofertá-los pelo mesmo preço em Jerusalém. Nota-se que perante o mercado do templo de Jerusalém ele não podia oferecer o que a Deus pertencia, pois os cambistas aumentavam demasiadamente o preço dos produtos; E o resultado imediato disso era a exclusão, pois se esta pessoa não tivesse condições de arcar com a diferença, ela então ficaria de fora e não poderia adorar a Deus como era costume naquela época. E Jesus percebendo este comércio injusto, se indignou, pois os que estavam ali negociando haviam perdido o respeito à fé, e queriam apenas enriquecer.

Hoje tem muita gente lucrando com o evangelho. Cachês de pregadores, cantores e até farra de dinheiro público para realizar shows.

Está chegando a hora do AZORRAGUE !

“Então ele fez um chicote de cordas e expulsou todos do templo” (João 2.15).

Para a ovelha pensar

Mateus 23.6 Amam o primeiro lugar nos banquetes e as primeiras cadeiras nas sinagogas,
7 as saudações nas praças e o serem chamados mestres pelos homens.
8 Vós, porém, não sereis chamados mestres, porque um só é vosso Mestre, e vós todos sois irmãos.
9 A ninguém sobre a terra chameis vosso pai; porque só um é vosso Pai, aquele que está nos céus.
10 Nem sereis chamados guias, porque um só é vosso Guia, o Cristo.
11 Mas o maior dentre vós será vosso servo.
12 Quem a si mesmo se exaltar será humilhado; e quem a si mesmo se humilhar será exaltado.

Hipocrisia


Hipocrisia!

Esse parece ter sido o mal que mais provocou a ira de Jesus.

Ele lidava bem com as incoerências humanas; fazia-se acompanhar dos que sabiam quem não eram; gostava da amizade deles; e ajudava-os com paciência a crescerem para ser quem ainda poderiam ser, caso descansassem na Graça de Deus.

De fato, Jesus ensinou que o maior progresso vem do descanso, da confiança, e da paz que encontra amparo na misericórdia de Deus.Esses são os doentes que precisam de médico!A impaciência de Jesus se projetava sobre os doentes que diziam não precisar de médico por uma única razão: eles não queriam ser curados, e viviam da fuga de oferecerem sua “doença” como padrão de saúde para os demais homens. Daí eles, quando conseguiam transformar alguém em seus discípulos, de acordo com Jesus, fazerem dessa pessoa um filho do inferno em dose dupla.

O problema básico do hipócrita é que ele não quer cura, e, muito menos, admitir que seja doente.Então, ele abre um hospital para os doentes que eles elegeram como seus discípulos.E, esses coitados discípulos, pelo convívio com esses médicos-de-si-mesmos, acabam adoecendo a ponto de passarem a precisar ser internados num hospício. E a culpa passa a ser deles!

A hipocrisia é como infecção hospitalar que “pega” alguém que foi fazer um exame de sangue, e sai do hospital carregando AIDS.

No meio cristão eu ouço pessoas sinceras que me dizem: Parei de falar de Jesus por causa de minhas incoerências; eu não sou hipócrita!Eu ouço e digo a eles duas coisas.

1. Você deve falar de Jesus em razão de suas incoerências. Se você não tiver incoerências, não fale de Jesus, fale de você.

2. Você não é hipócrita por se saber incoerente. Você é hipócrita quando esconde as suas incoerências; e, então, oferece a si mesmo como referencia de saúde para todos; e pior ainda: quando encontra alguém que é exatamente como você—e todos são igualmente iguais—, mas trata essa pessoa com o ódio que você sente acerca de si mesmo; ou quando trata a tal pessoa como se aquilo que estivesse acontecendo com ela fosse algo impossível de acontecer a qualquer ser humano caído.E todos caíram, e todos carecem da Graça de Deus!

O hipócrita, portanto, é descrito de modo perfeito em Mateus 23.Leia:Então falou Jesus às multidões e aos seus discípulos, dizendo:Na cadeira de Moisés se assentam os escribas e fariseus. Portanto, tudo o que vos disser, isso fazei e observai; mas não façais conforme as suas obras; porque dizem e não praticam. Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; mas eles mesmos nem com o dedo querem movê-los. Todas as suas obras eles fazem a fim de serem vistos pelos homens; pois alargam os seus filactérios, e aumentam as franjas dos seus mantos; gostam do primeiro lugar nos banquetes, das primeiras cadeiras nas sinagogas, das saudações nas praças, e de serem chamados pelos homens: Mestre.Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque fechais aos homens o reino dos céus; pois nem vós entrais, nem aos que entrariam permitis entrar.Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque devorais as casas das viúvas e sob pretexto fazeis longas orações; por isso recebereis maior condenação.Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o tornais duas vezes mais filho do inferno do que vós.Ai de vós, guias cegos! que dizeis: Quem jurar pelo ouro do santuário, esse fica obrigado ao que jurou.Insensatos e cegos! Pois qual é o maior; o ouro, ou o santuário que santifica o ouro?E: Quem jurar pelo altar, isso nada é; mas quem jurar pela oferta que está sobre o altar, esse fica obrigado ao que jurou.Cegos! Pois qual é maior: a oferta, ou o altar que santifica a oferta?Portanto, quem jurar pelo altar jura por ele e por tudo quanto sobre ele está; e quem jurar pelo santuário jura por ele e por aquele que nele habita; e quem jurar pelo céu jura pelo trono de Deus e por aquele que nele está assentado.Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes omitido o que há de mais importante na lei; a saber: a justiça, a misericórdia e a fé; estas coisas, porém, devíeis fazer, sem omitir aquelas.Guias cegos! Que coais um mosquito, e engolis um camelo.Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque limpais o exterior do copo e do prato, mas por dentro estão cheios de rapina e de intemperança.Fariseu cego! Limpa primeiro o interior do copo, para que também o exterior se torne limpo.Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas por dentro estão cheios de ossos e de toda imundícia.Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade.Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque edificais os sepulcros dos profetas e adornais os monumentos dos justos, e dizeis: Se tivéssemos vivido nos dias de nossos pais, não teríamos sido cúmplices no derramar o sangue dos profetas.Assim, vós testemunhais contra vós mesmos que sois filhos daqueles que mataram os profetas.Enchei vós, pois, a medida de vossos pais.Serpentes, raça de víboras! como escapareis da condenação do inferno?

Veja que todas as ênfases de Jesus resumem-se há apenas algumas coisas:

1. Tentar parecer ser o que se não é.

2. Impor a aparência exterior como paradigma para os demais.

3. Viver da arrogância de clonar o ser do outro conforme a nossa própria e falsa aparência.

4. Privilegiar as performances visíveis aos olhos, detendo a verdade que existe no ser.

5. Usar o poder da religião, ou da moral, ou da ética, ou das etiquetas, como instrumento de poder e opressão sobre os que procuram ajuda.

6. Oferecer-se como representante de Deus entre os homens.

7. Criar um sistema de aferimento espiritual baseado na reverencia concedida a si mesmo.

8. Afirmar-se com guia do próximo, sendo que o coração sabe que para dentro não se enxerga nada além de podridão.

9. Manipular o saber religioso e fazer dele uma adaptação que justifique as conveniências da própria doença; enquanto se masturba ante a submissão do próximo diante dele.

10. Transformar a própria arrogância em missão; daí o percorrerem os mares a fim de piorar os seres humanos, ensinando-os a praticarem as obras que um pagão não realiza: pregar a verdade de Deus como opressão e controle.

Todo hipócrita é inseguro.O que habita a hipocrisia é a insegurança que se transformou em maldade.O ser inseguro pode se transformar num ser mal, se a sua insegurança se deixar possuir pela ânsia de poder sobre o próximo.

Todo hipócrita é invejoso.Todo hipócrita é cínico.Todo hipócrita não se enxerga.Todo hipócrita não tem outro mundo se não o exterior.

Hipócritas não confessam pecados.Hipócritas só chamam de pecado aquilo que pode ser verificável pelos olhos da carne.Daí o hipócrita sofrer seu próprio erro como castigo.Ele é um inseguro que ao invés de confessar sua insegurança, e suas próprias incoerências, transforma-as em instrumento de dominação sobre o próximo. Então, vira diabo.O hipócrita é o cara que quer todo mundo tão raso, tão exteriorizado, e tão doentemente sadio quanto miseravelmente doente ele é.

O hipócrita não é quem peca e se sabe pecador.O hipócrita é aquele que acaba se convencendo acerca da mentira de que ele próprio não peca.O Hipócrita se sente ofendido pela Graça de Deus.Não sei por que escrevi isto aqui, e agora. Mas Deus sabe.E para os pastores que começaram a se enxergar, fica aqui uma palavra de irmão:Ao invés de se calar ante suas próprias incoerências, afirme o amor de Deus baseado nelas próprias.E não ponha sobre os homens os pesos que você mesmo sabe que ninguém consegue carregar.Anuncie a Palavra para você mesmo, e, como decorrência, para quem quiser ouvir.Mas deixe uma coisa bem clara: a Palavra é, sobretudo, para você; por isto é que você a prega.Quanto ao mais, Jesus no ensinou o caminho da cura para hipocrisia.

Leia:Vós, porém, não queirais ser chamados de Mestre; porque um só é o vosso Mestre, e todos vós sois irmãos. E a ninguém sobre a terra chameis vosso pai; porque um só é o vosso Pai, aquele que está nos céus.Nem queirais ser chamados guias; porque um só é o vosso Guia, que é o Cristo.Mas o maior dentre vós há de ser vosso servo.Qualquer, pois, que a si mesmo se exaltar, será humilhado; e qualquer que a si mesmo se humilhar, será exaltado.

Esta é a Palavra que cura a hipocrisia.
Nela está a nossa libertação.

Quando se é o homem segundo o coração de Deus


O rei Davi, com certeza foi um dos maiores personagens de toda Bíblia Sagrada.

Ele foi o rei escolhido por Deus e através dele houve o estabelecimento da “Casa de Davi”, de onde viria depois Jesus Cristo, que quando voltar assentar-se-á nesse trono de Davi (Isaias 9.7; Lucas 1.32).

Os caps. 11 e 12 de II Samuel fala sobre a mancha mais feia na vida de Davi: adultério e um homicídio. Um para tentar esconder o outro.

II Samuel 11.14-17 E mandou Davi indagar quem era aquela mulher; e disseram: Porventura não é esta Bate-Seba, filha de Eliã, mulher de Urias, o heteu? Então enviou Davi mensageiros, e mandou trazê-la; e ela veio, e ele se deitou com ela…
E sucedeu que pela manhã Davi escreveu uma carta a Joabe; e mandou-lha por mão de Urias.Escreveu na carta: Ponde Urias na frente onde for mais renhida a peleja, e retirai-vos dele, para que seja ferido e morra. E, saindo os homens da cidade, e pelejando com Joabe, caíram alguns do povo, dos servos de Davi; e morreu também Urias, o heteu.

Deus o perdoou, mas veio terrível sentença: “… a espada nunca se afastará de sua família…” (12.10).

Porém, a sua reação ao seu pecado foi impressionante: Os Salmos 32 e 51 nasceram de sua amarga experiência.
Hoje, infelizmente a hipocrisia reina na Igreja de Cristo e a diferença entre um homem como Davi e muitos homens de Deus da nossa era é gritante.
Pois nunca vimos tantas pessoas envolvidas em diversos escândalos e que se recusam a humilhar-se diante do Senhor.

Ao invés de terem um mínimo de sinceridade diante de Deus, preferem atribuir seus erros a uma “perseguição do inimigo” ou da mídia, dentre tantas outras desculpas.

Usam a própria Palavra de Deus para incutir na mente das pessoas que foram vítimas de armações, perseguições humanas e que o “poder das trevas” está tentando prejudicar a Igreja.

Criam uma fantasiosa “batalha espiritual”, para justificar erros cometidos e protegerem suas “reputações”.

Porque será que têm-se hoje tanta dificuldade em seguir o exemplo de Davi? Porque não enfrentar os pecados cometidos e se acertarem com os homens e com Deus?
Será que adianta inventarmos um monte de desculpas? Por acaso conseguiremos com isso enganar a Deus, que tudo vê e sabe de todas as coisas?

É como diz o Apóstolo João: “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; mas, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.” (I João 2.1)

Quem dera, um dia tivermos homens como o rei Davi, que tenham a coragem e a sinceridade de buscar o perdão do Senhor com um coração verdadeiramente arrependido e quebrantado.
Não omitindo seus erros, mais dispostos a obterem a restauração plena de suas vidas e continuarem sendo usados pelo poder de Deus.
Com certeza cresceríamos muito mais como Corpo de Cristo se assim o fizéssemos.

No mínimo 13 ais para o invejoso


NO MÍNIMO 13 AIS PARA O INVEJOSO!...

1. Ai do invejoso, pois faz do outro o seu próprio limite.

2. Ai do invejoso, visto que estabeleça como ideal para si mesmo um eu falsificado.

3. Ai do invejoso, porque decidiu no ato de invejar viver para se frustrar.

4. Ai do invejoso, posto que seu desejo seja ser quem ele não é e jamais será.

5. Ai do invejoso, pois pela inveja se faz assassino de muitas maravilhas de Deus.

6. Ai do invejoso, visto que morrerá sempre dizendo para si mesmo que tentou e não conseguiu.

7. Ai do invejoso, posto que não viva, mas apenas exista de tentar...

8. Ai do invejoso, porque sua recompensa será a sua amargura...

9. Ai do invejoso, visto que viciará o seu olhar no intento de enfeitiçar...

10. Ai do invejoso, pois sempre cairá no abismo da tentativa de saltar para onde não seja o seu lugar natural e simples...

11. Ai do invejoso, posto que corre o risco de fazer coro à Crucificação.

12. Ai do invejoso, porque não admitirá a própria Ressurreição, antes, por inveja dirá: Foi um embuste...

13. Ai do invejoso, pois a existência lhe dará em contrário tudo o que por inveja cobiçar. Poderá ter tudo, mas morrerá sendo nada...

Pense nisso!

Só tem maná ?


Números 11.6 Agora, porém, seca-se a nossa alma, e nenhuma coisa vemos senão este maná.

II Timóteo 4.3 Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos.

O povo que saiu do Egito e caminhava em direção a terra prometida começou a sentir na alma o enjôo pelo maná que Deus oferecia a cada dia para eles.

Não valorizavam a simplicidade do maná. Para eles o gosto não era mais agradável. Começaram a sentir até o desejo de comer a comida de escravos que eles tinham no Egito.

Hoje como foi profetizado pelo Espírito Santo através do apóstolo Paulo temos vivido um tempo muito preocupante para a Igreja. As pessoas não estão mais tendo prazer com a simplicidade do evangelho. Querem coisas extravagantes. Desejam ouvir somente o que desejam como coceira nos ouvidos. Seguindo a lobos que oferecem o que a sua alma cobiça para o deleite do próprio ventre.

Buscam mais do que a simplicidade de Cristo. Querem shows, eventos, pão e circo. Esta é a arma que satanás tem usado. As pessoas vão para as “igrejas” e não para Cristo. Querem unção, oração forte e sinais sobrenaturais.

II Coríntios 11.3 Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo.

A serpente oferece desde a criação: poder, fama, cobiça e deleite para a carne.

E Deus nos deu o maná. Deus nos deu o Pão da Vida! Deus nos deu Jesus! E basta ! Ou será que não?

Investir em pedras ou pessoas ?


Não perceberam ainda que o templo somos nós! Precisa investir em pessoas e não em pedras!

Os cristãos primitivos tinham templos? O Templo de Jerusalém era um templo cristão? Obviamente que não.

Os cristãos, até ao quarto século, reuniam-se em casas particulares, como podemos verificar em múltiplas passagens. Por exemplo, em Romanos 16.5 e I Coríntios 16.19.

Mais tarde, chegaram a reunir-se em catacumbas, refugiando-se das ferozes perseguições de que foram alvo. Também se juntavam nas sinagogas e no Templo de Jerusalém, mas esses não eram os seus espaços. Esses espaços pertenciam aos judeus.

Frequentavam para dar testemunho do Cristo aos israelitas, procurando evangelizá-los.

Afinal Deus não habita em templos feitos pelas mãos dos homens (Atos 7.48-50, Atos l7.24). Jesus afirmou categoricamente que o local de adoração não é nem em Jerusalém (Templo judaico) nem em Samaria. Nem num monte nem no outro, pois Deus é espírito e o importante é que o adoremos em espírito e em verdade (João 4.20-24), seja onde for.

Quando Jesus expirou na cruz, o véu do Templo rasgou-se de alto a baixo (Marcos 15.38) e, cerca de 40 anos depois, toda a cidade de Jerusalém foi destruída (Lucas 19.43,44), incluindo o próprio Templo, do qual resta apenas o muro das lamentações, como se sabe.

Templo de Deus é Jesus, disse-o Ele: Destruam este templo e em três dias o reedificarei! – referindo-se ao Seu Corpo.(João 2.19-21) . Templo de Deus somos nós: Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo que habita em vós...? (I Coríntios 3.16,17; I Coríntios 6.19)

Templos vivos, casas de Deus vivas, glorificando ao Senhor por onde andarem.
Isso sim. Esses são os maiores, os mais importantes de todos os templos no Novo Testamento.

Vidas dedicadas ao Senhor, espelhando o amor de Cristo, manifestando a Sua Obra através de obras, ao serviço a Deus na pessoa do próximo.

Mas quando se vai à igreja, dominicalmente, cumprir apenas um dever religioso, descarregar a consciência, ouvir a pregação e entregar o dízimo (nem sempre de coração, às vezes por coação), que cristianismo é esse afinal? E os doentes, e os pobres, e os encarcerados, e os idosos, e as crianças? Pensa-se neles, dá-se atenção, carinho, auxílio?

Na última página da Bíblia é dito da Nova Jerusalém (o céu): Nela não vi templo... (Apocalipse 21.22). Sem comentários…

A vida que flui


A diferença:

O Mar da Galiléia
• Recebe a água do rio Jordão
• Que flui adiante na continuação desse rio
• Nele e à sua volta há vida abundante!

O Mar Morto

• Só recebe a água do rio Jordão
• Ela não flui adiante
• Nele não há nenhuma vida!

Jesus disse:

• "Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva" (João 7.38).
• "Aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna" (João 4.14).

O Mar da Galiléia e o Mar Morto ilustram o princípio bíblico de que precisamos transmitir a vida que recebemos - para que ela se reproduza e floresça continuamente em nós. Do mesmo modo, mais bem-aventurado é dar que receber e quem semeia com fartura colherá com abundância. Além disso, devemos realizar a obra do Senhor com determinação e constância, confiando que os frutos serão produzidos pela ação do Espírito Santo:

• "E isto afirmo: aquele que semeia pouco pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará" (II Coríntios 9.6).
• "A alma generosa prosperará, e quem dá a beber será dessedentado" (Provérbios 11.25).
• "Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também" (Lucas 6.38)
• "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás" (Eclesiastes 11.1).
• "Porque o que semeia para sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna" (Gálatas 6.8).
• "Quem somente observa o vento nunca semeará, e o que olha para as nuvens nunca segará" (Eclesiastes 11.4).
• "Semeia pela manhã a tua semente e à tarde não repouses a mão, porque não sabes qual prosperará; se esta, se aquele ou se ambas igualmente serão boas" (Eclesiastes 11.6).
• "O reino de Deus é assim como se um homem lançasse a semente à terra; depois, dormisse e se levantasse, de noite e de dia, e a semente germinasse e crescesse, não sabendo ele como" (Marcos 4.26-27).

Você se assemelha ao Mar Morto ou ao Mar da Galiléia? Mantenha-se “vivo”: seja um transmissor de vida !

Para a ovelha pensar


“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.”(Mateus 7.21)

A verdade sobre a mentira


As "palavras certas" no convívio com os outros são cada vez mais pura mentira. Pois apresentar a verdade em doses reduzidas facilita a vida. Os americanos chamam essa "forma elaborada" de comunicação de "mentiras brancas".

Aqueles que sempre dizem a verdade são considerados irremediavelmente ingênuos. Além disso, eles facilmente ganham inimigos. Calcula-se que uma mentira vem aos nossos lábios cerca de 200 vezes por dia, em média uma a cada 5 minutos. Começando por falsos elogios ("Você está com excelente aparência!") até mentiras descaradas ("Hoje eu não posso ir ao escritório, estou gripado").

Há alguns anos ocupam-se com o mistério da mentira não apenas filósofos, mas também cientistas políticos e psicólogos. O resultado das pesquisas sobre a mentira:
– Mentira e engano estão nos nossos genes, foram e é o motor da evolução. Os biólogos presumem que o desenvolvimento do cérebro humano só foi possível por ter que lidar com enganos.
– Nós adulamos, engodamos e sorrimos diariamente com olhar inocente para manter uma boa atmosfera ou para nos apresentar numa luz mais favorável. Principalmente os cônjuges e familiares são enganados de maneira intensa. Eles são vítimas de dois terços de todas as mentiras graves – segundo as análises de diários da psicóloga americana Bella DePaulo da Universidade da Virgínia em Charlottesville.
– Talento para enganar é sinal de inteligência – um fator de sucesso, tão útil como perspicácia, intuição ou criatividade. "O sucesso profissional de um executivo depende em 80% da sua inteligência social", afirma Howard Gardner, psicólogo da Harvard School of Education. Também Peter Stiegnitz, um pesquisador da mentira em Viena (Áustria), pensa que os "carreiristas preferem trabalhar com jeito e charme ao invés de fazê-lo com aplicação e perseverança".

O objetivo da educação diplomática: as crianças já aprendem desde cedo que é melhor não dizer à sua antipática tia que acham o beijo lambuzado dela nojento. A alegria dissimulada da mãe ao receber o presente de Natal inútil, os doces escondidos furtivamente e a lei do silêncio sobre inconvenientes familiares são modelos e treinamento para as mentiras diárias no futuro.

Entretanto, as crianças só compreendem a necessidade de mentir entre o segundo e quarto ano de vida, e isso ocorre tanto mais cedo quanto mais inteligentes elas forem. Até então elas não sabem distinguir entre fantasia e realidade. Quando descobrem, então, quão refinadamente é possível lograr os outros, elas o fazem primeiramente em proveito próprio – a fim de evitar castigos ou para receber alguma recompensa.

Mais ou menos a partir dos oito anos de idade elas aprendem a diferenciar a simpatia verdadeira da falsa.
No máximo durante a adolescência os jovens aprendem a distinguir com certa precisão se alguém está sendo sincero ou não... (Focus)
É vergonhoso como hoje em dia se lida levianamente com o conceito "mentira" ou com a própria mentira. Há pesquisas e estudos sobre a mentira, tenta-se explicá-la, procura-se a sua origem, mas em geral ela é considerada inofensiva, sim, até mesmo uma necessidade da vida e, em última análise, como algo bom.

Entretanto, como em todas as questões relativas à vida, também sobre a mentira somente a Bíblia – e não quaisquer "pesquisadores da mentira" – pode nos dar a melhor orientação. Ela nos mostra que a mentira não é um mistério, conforme diz o artigo citado, mas um pecado há muito revelado.

A mentira consiste em rejeitar a verdade de Deus. Sobre os mentirosos está escrito: "Pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira..." (Romanos 1.25). Por isso a mentira se estende por toda a história da humanidade. Ela é a culpada pela queda do homem e causa de todos os sofrimentos e de muitas lágrimas.

A mentira não tem sua origem na evolução, mas em Satanás – ele é chamado "pai da mentira". O Senhor Jesus Cristo mostrou isso de maneira inequívoca quando disse: "Vós sois do Diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira. Mas, porque eu digo a verdade, não me credes" (João 8.44-45). Assim, o pecado só entrou no mundo por meio da mentira, pois Satanás enganou os primeiros seres humanos através da mentira: "É certo que não morrereis... mas sereis como Deus" (Gênesis 3.4-5). A realidade da mentira e do pecado em si falam contra a evolução e a favor do relato da Bíblia, de que somos uma criação caída.

Com toda a certeza a mentira não é indicação de inteligência, mas um sinal característico de uma vida sem Deus, que não ama a verdade e é a identificação de uma natureza pecaminosa. Em I João 2.21 está escrito: "...mentira alguma jamais procede da verdade."

Por isso, a crescente tendência para a mentira em nossos dias também é um sinal evidente dos tempos finais: "Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência" (I Timóteo 4.1-2).

Como a mentira é o oposto exato da verdade de Deus e assim rejeita o próprio Deus da maneira mais grosseira, ela também será julgada com dureza pelo Deus santo. No último livro da Bíblia está escrito duas vezes com inequívoco rigor:
– "Nela, nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro" (Apocalipse 21.27).
– "Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira" (Apocalipse 22.15).

Parece que o pouco de verdade que há no artigo citado é que uma inverdade passa pelos nossos lábios aproximadamente 200 vezes por dia. Em face desta realidade da mentira, como deveríamos tremer diante da verdade que o próprio Senhor Jesus descreve assim: "Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo" (Mateus 12.36).

Somente estas poucas afirmações da Bíblia nos colocam diante da verdade de que nenhuma pessoa pode ser salva por meio dos próprios esforços. Bastaria pensar isso, para mentir a si mesmo. Mas, Jesus Cristo veio para isto: Ele, a Verdade de Deus em pessoa, a fim de tomar sobre si a nossa culpa, para que nós, exclusivamente pela graça, pudéssemos ser libertos da mentira. Por isso o Senhor Jesus diz em outra passagem: "Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará" (João 8.31-32). Verdade é reconhecer a mentira como aquilo que ela é: um pecado que nos separa de Deus. Mas verdade também é saber que podemos confessar a Jesus a mentira e todos os nossos outros pecados e pedir perdão. Verdade também é que, então, podemos aceitar o perdão pela fé e com gratidão. Aquele que fizer isso com sinceridade e de todo o coração, receberá o perdão (I João 1.7 e 9), pois Deus não pode mentir. (Norbert Lieth)

Comida para quem precisa


Qual comida você tem ingerido?

Pregar o Evangelho com palavras e com a dedicação de quem vive apenas para fazê-lo, é como a existência de um cozinheiro, cujos elementos usados para cozinhar são encontrados apenas no jardim/pomar da Palavra que esteja plantada em seu coração.

Encontrados os elementos, o cozinheiro os põe nas panelas de seu ser para preparar.

Uma vez que tudo esteja pronto nele/panela, ele, que é também o Chef, prova antes em si mesmo, e, estando bom, ele serve aos demais.

O problema é o pregador Fastfood...

Ele compra pronto...

Ele encomenda...

Ele pede no Delivery...

Ele tem que viver fazendo promoções...

Assim, o negócio da vida dele passa ser o de dono de restaurante de franquias consagradas...

Pregador!

Seja uma pregamor!

Sirva apenas o que for comida verdadeira em seu próprio coração, alimento plantado nele, colhido nele, e preparado por você, em você, para você; e, depois, só depois, para os outros; aos quais você servirá com alegria de um servo que se apresenta diante do Rei com os melhores e mais excelentes pratos, tanto em sabores quanto na saúde de seus conteúdos.
www.caiofabio.com

Jesus, Tu és diferente


Jesus, Tu és diferente

Tu ficaste ao lado da mulher adúltera,
quando todos se afastavam dela.

Tu entraste na casa do publicano,
quando todos se revoltavam contra ele.

Tu chamaste as crianças para junto de Ti,
quando todos queriam mandá-las embora.

Tu perdoaste a Pedro,
quando ele próprio se condenava.

Tu elogiaste a viúva pobre,
quando todos a ignoravam.

Tu resististe ao diabo,
quando todos teriam sucumbido à sua tentação.

Tu prometeste o paraíso ao malfeitor,
quando todos lhe desejavam o inferno.

Tu chamaste Paulo para Te seguir,
quando todos o temiam como perseguidor.

Tu fugiste do sucesso,
quando todos queriam fazer-te rei.

Tu amaste os pobres,
quando todos buscavam riquezas.

Tu curaste os enfermos,
quando foram abandonados pelos outros.

Tu calaste,
quando todos Te acusavam, batiam em Ti e zombavam de Ti.

Tu morreste na cruz,
quando todos festejavam a páscoa.

Tu assumiste a culpa,
quando todos lavavam suas mãos na inocência.

Tu ressuscitaste da morte,
quando todos pensavam que estavas derrotado.
Jesus, eu te agradeço porque Tu és único!

Chibolete ou sibolete ?

Juízes 12.4 Ajuntou Jefté todos os homens de Gileade e pelejou contra Efraim; e os homens de Gileade feriram Efraim, porque este dissera: Fugitivos sois de Efraim, vós, gileaditas, que morais no meio de Efraim e Manassés. 5 Porém os gileaditas tomaram os vaus do Jordão que conduzem a Efraim; de sorte que, quando qualquer fugitivo de Efraim dizia: Quero passar; então, os homens de Gileade lhe perguntavam: És tu efraimita? Se respondia: Não; 6 então, lhe tornavam: Dize, pois, chibolete; quando dizia sibolete, não podendo exprimir bem a palavra, então, pegavam dele e o matavam nos vaus do Jordão. E caíram de Efraim, naquele tempo, quarenta e dois mil.

Este texto é tremendo. Narra um episódio muito interessante e que reflete uma realidade em nossos dias atuais.

Os fugitivos da tribo de Efraim que desejavam evitar a guerra eram denunciados e entregues por eles mesmos a morte pela pronuncia da palavra “chibolete”. Eles não conseguiam pronunciar esta palavra(que significa espiga em hebraico) e diziam sibolete. E assim eram mortos ao fio da espada. E morreram 42 mil homens que não sabiam falar como os de Gileade queriam.

Hoje é bem comum encontrar muita gente doente dentro das igrejas que não suportam ouvir irmãos que falam diferente. Não suportam irmãos que não se enquadram a sua visão e com sua doutrina.

Tudo isto por um completo desconhecimento das Escrituras e principalmente por desconhecer Jesus.

Você pronuncia “chibolete” ou “sibolete”?
Para mim pouco importa!
Somos irmãos em Cristo e isto basta!
Ou será que não?

Conheço um grão da espiga que morreu por nós!
E nós somos todos frutos Dele!

João 12.24 Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto.

Nada que já não estava Escrito. Mas se não conhecer a Palavra...


Os escândalos da igreja evangélica - algumas reflexões

Os escândalos de pastores, teólogos e igrejas que aparecem hoje em dia na televisão, nos jornais e revistas nos assustam e deixam pensativos: O que está acontecendo com a igreja?

Ficamos assustados com o que vemos. Ficamos tristes com estas histórias e situações que nos envergonham.
Mas isto não deveria nos assustar, pois a própria Bíblia já declarava há mais de dois mil anos em suas páginas que tudo isto aconteceria.

Mas examinado alguns textos aprendemos algumas coisas:

1) Os homens que operam milagres não são necessariamente pessoas que conhecem a Deus.
No final do Sermão do Monte Jesus disse: "Nem todo o que me diz Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está no céu. Muitos naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura não temos nós profetizado, em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi explicitamente: Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim todos vós que praticais a iniquidade"
Mateus 7.21-23

2) Os homens que fazem parte do corpo de Cristo surgem ensinando heresias.
Em sua despedida dos líderes da igreja de Éfeso, Paulo disse: "Eu sei que depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes que não pouparão o rebanho. E que dentre vós mesmos se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás dele" Atos 20.29-30

3) Os homens que procuram ouvir aquilo que agrada ao seu enganoso coração.
Mais tarde Paulo escreveu a Timóteo relembrando ao seu amado discípulo de algumas características dos últimos dias: "Pois haverá tempo em que não suportarão a são doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres, segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvido à verdade, entregando-se a fábulas." II Timóteo 4.3-4

4) Os homens que usam o evangelho como forma de promoção pessoal.
Pedro também queria alertar aos seus leitores sobre algumas características de alguns líderes: "Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. E muitos seguirão as suas práticas libertinas, e, por causa deles, será infamado o caminho da verdade;também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias; para eles o juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme." II Pedro 2.1-3

Portanto, o que vemos hoje em dia, tanto aqui como no mundo inteiro, não deveriam nos assustar, mas levar a uma honesta reflexão sobre quais ministérios e pessoas nós aprovamos, apreciamos, apoiamos e buscamos. Deveríamos pensar qual o papel da igreja e o que temos feito, ou deixado de fazer para o cumprimento deste papel.

Estes escândalos não são novidades para Deus, nem mesmo para os primeiros líderes da igreja.
Devemos olhar para as nossas vidas e ministérios, e avaliar com humildade até que ponto não podemos cair nos mesmos erros, como Paulo mesmo nos alertou: "Aquele que pensa estar em pé, veja que não caia." I Coríntios 10.12

Não desanime, mas não seja conivente!
Não pare, mas não fique junto!

É o que ensina a Palavra de Deus!

II Coríntios 6.3 não dando nós nenhum motivo de escândalo em coisa alguma, para que o ministério não seja desqualificado.

I Coríntios 5.11 O que eu digo é que vocês não devem ter nada a ver com ninguém que se diz irmão na fé, mas é imoral, ou avarento, ou adora ídolos, ou é bêbado, ou difamador, ou ladrão e promove escândalos. Com gente assim vocês não devem nem comer uma refeição.

A Síndrome de Rei


O rei tem direito a tudo [...] ou a quase tudo...

Na Bíblia, quando Israel pede um rei, a advertência de Deus pelo Profeta Samuel, era que o povo não sabia o que desejava ao pretender ter um rei humano...; pois, ao rei se daria tudo..., do melhor do campo às melhores mulheres..., do imposto ao serviço demandado..., e, sobretudo, se daria a alma a fim de cumprir caprichos e desejos do rei na forma de grandes obras e construções...; sem falar que a descendência do rei teria garantida a seqüência do poder real, de modo que um imbecil, criado e mimado como idiota, se torna o rei por vir...

Só que o ser ou se sentir rei é uma droga viciante...

Ora, tal fenômeno atinge a todos os que têm impérios ou reinados, não importando o tamanho, o âmbito e a natureza do sentir soberano da pessoa...
Na realidade, essa Síndrome de Rei, além de dar com freqüência em coração de políticos, empresários, gurus, bispos, autoridades religiosas, apóstolos carismáticos, mafiosos, bandidos muito fortes, médicos geniais ou arrogantes, advogados sempre vencedores, juízes arbitrários, e em toda e qualquer pessoa vaidosa e com muito poder — também ocorre em gente pobre e sem poder no mundo, mas que justamente por esta razão, assumem o poder como machismo... [no caso majoritário, de homens...]; que é a frustração do homem que nunca será Rei de muitos...; embora, no âmbito de sua casa, casamento e família, ele, esse homem sem poder para fora..., seja um déspota perverso..., seja um marido brutal..., seja um pai cheio de caprichos e regras..., seja um filho mandão..., seja um irmão superior..., seja um primogênito cheio de direitos de nada..., seja um medíocre aos seus próprios olhos..., mas, justamente por isto, amargurado até a morte..., enquanto massacra os pobres familiares ou subservientes em geral...; sim, em razão de sua raiva em relação à existência..., que não fez dele o rei que ele desejaria ser..., ainda que não saiba exatamente disso.

Amargura..., de um lado, no lado pobre e fraco; e adulação..., do outro lado, do lado rico e poderoso — são os dois maiores propulsores da Síndrome de Rei.

Ora, se você adiciona a isto ainda a Síndrome de Lúcifer, que é aquela que ataca o coração “ungido, carismático, messiânico”, o resultado é o nascimento de um Bispo, ou de um Apóstolo, ou de um Papa... — que são os Reis Ungidos... Sim, esses fazem a pior versão da Síndrome de Rei.

A Síndrome de Rei também ataca os muito inteligentes e ocupados, que sabem do seu valor, do valor do seu tempo, e, por isto, tornam-se extremamente exigentes em relação a tudo que diga respeito à sua eficiência...
Sim, tudo tem que existir para maximizar o potencial do Rei da Competência...

O fato é que desde que se desejou “ser como Deus” que não apenas a Síndrome de Lúcifer nos atacou..., de um modo ou de outro, mas, também, a sua versão mais terrena e imediata, que é a Síndrome de Rei.
Assim, simplificando, eu digo a você e a mim mesmo, que todos os dias temos que lutar ou estar apercebidos em relação à Síndrome de Lúcifer, ou, no mínimo, estar atentos à Síndrome do Rei, que é a obsessão de importância que ataca a todos os amargurados, a todos os adulados e a todos os muito capazes e importantes aos seus próprios olhos.

Quem não encontrar sinais de nada disso em si mesmo nunca, seja pela vida da pobreza amargurada e que se torna abusiva, seja pela via da adulação que cria um idiota, seja pela via da competência que cria um arrogante — então esse é varão livre e liberto, para além de toda tentação e egoísmo, e, portanto, não deve levar a sério nada do que escrevi, pois, não é para tal pessoa...; embora, sinceramente, eu diga a você: tudo aqui é para mim...

A única cura para esse mal é aquela que decorre da renovação diária da consciência, na busca de termos em nós mesmos o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação ser igual a Deus, antes a Si mesmo se humilhou, se tornou uma figura humana, e aceitou ser obediente até a morte, e morte de Cruz, pelo que Deus o exaltou, e lhe deu o nome que está sobre todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, tanto no céu quanto na terra, e toda língua confesse que Jesus é o Senhor, para a glória de Deus Pai.

Nele, que é o Único Rei,

Caio
17 de setembro de 2009
Lago Norte
Brasília
DF

Jesus: Único, Incomparável, Maravilhoso – em Seu Amor


Lemos em I João 3.16 sobre Jesus Cristo: "Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós..."

A morte de Jesus na cruz do Calvário é a prova do eterno, imutável e inescrutável amor de Deus por um mundo perdido e por cada um de nós! O sangue derramado de Jesus é a garantia do amor de Deus para com as pessoas sobrecarregadas de culpa e distantes Dele: "Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores" (Romanos 5.8).

Jesus, como Filho de Deus, era o único que podia morrer pelos pecados da humanidade. Ele o fez também por você! Em todas as outras religiões procuramos em vão por algo que seja comparável à morte de Jesus por nós.

O Senhor é amor em Si mesmo; amor é uma característica do Seu ser. Por isso Ele não pode separar-se do Seu amor. Esse amor começou quando Deus começou e Ele não tem começo nem fim.

Alguém o formulou desta maneira: "Deus é o que é principalmente por Seu amor." E Friedrich

Bodelschwingh escreveu a frase: "Por esta terra não passa ninguém que não seja amado por Deus."

O próprio Senhor diz: "Com amor eterno eu te amei" (Jeremias 31.3). Portanto, não há uma só pessoa vivendo sobre a face da terra que não seja amada por Deus.

Deus ama a cada pessoa da mesma maneira. Isso significa que Ele não ama a ninguém mais do que a outro.

Agostinho definiu esse amor de Deus de maneira muito apropriada: "Deus ama tanto a cada um de nós como se não existisse ninguém mais a quem Ele pudesse dar Seu amor."

Jamais alguém poderá apresentar-se diante de Deus e afirmar que não foi amado por Ele. Estou profundamente convicto de que, quando os perdidos chegarem diante do trono de Deus e ver o Cordeiro de Deus, ficarão perplexos por não terem aceitado o amor que Jesus lhes ofereceu. Se existisse apenas um único pecador perdido nesta terra, Deus em Seu amor ilimitado teria feito por ele o que fez por todas as pessoas do mundo, através de Jesus Cristo.

É justamente isso que o Senhor Jesus quer expressar com a parábola da ovelha perdida: "Qual, dentre vós, é o homem que, possuindo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la? Achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo. E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. Digo-vos que, assim haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento" (Lucas 15.4-7).

Martim Lutero, com sua linguagem forte, descreveu certa vez o amor de Deus com as seguintes palavras: "Deus é um forno ardente, tão cheio de amor que todo o céu e toda a terra estão envolvidos pelo seu calor."

Para a ovelha pensar

Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas. (II Timóteo 4.3,4) Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina. (Tito 2.1)

Cama curta e cobertor estreito


Isaias 28.20 Porque a cama será tão curta, que ninguém se poderá estender nela; e o cobertor, tão estreito, que ninguém se poderá cobrir com ele.

Deus é tremendo!
Como esta comparação do desconforto de se deitar numa cama curta e ter ainda um cobertor estreito para se cobrir mostra a realidade de muitas pessoas no dia de hoje.

Que tem a sua vida comparada ao de uma noite bem incômoda. Que não há como descansar e sonhar. Pois a cama da vida é curta e o cobertor da alma é estreito.

Assim como as conquistas de gente que não sabe se saciar. Nunca sabem realmente o que desejam e nunca estão felizes com o que tem. Ganha o mundo e perdem a alma. Ganha dinheiro, títulos, posições, mas sempre a cama é curta e o cobertor estreito na sua vida!

Como também é desconfortável servir a Deus debaixo de jugo. Nunca há descanso para alma. Como cama curta e cobertor estreito nunca há satisfação.

Mateus 11.29 Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma.

Mas a escolha é sua!
Viva o dia de hoje confortado nesta verdade!
Encontre um local de descanso para a sua alma!

História da música "Amazing Grace (Maravilhosa Graça)"

Fique longe dessa cabana


Recentemente, as vendas do livro A Cabana aproximaram-se de [sete] milhões de cópias. Já se fala em transformar o livro em filme. Mas, enquanto o romance quebra os recordes de vendas, ele também rompe a compreensão tradicional de Deus e da teologia cristã. E é aí que está o tropeço. Será que um trabalho de ficção cristã precisa ser doutrinariamente correto?

Quem é o autor? William P. Young [Paul], um homem que conheço há mais de uma década. Cerca de quatro anos atrás, Paul abraçou o “Universalismo Cristão” e vem defendendo essa visão em várias ocasiões. Embora freqüentemente rejeite o “universalismo geral”, a idéia de que muitos caminhos levam a Deus, ele tem afirmado sua esperança de que todos serão reconciliados com Deus, seja deste lado da morte, ou após a morte.

O Universalismo Cristão (também conhecido como a Reconciliação Universal) afirma que o amor é o atributo supremo de Deus, que supera todos os outros. Seu amor vai além da sepultura para salvar todos aqueles que recusaram a Cristo durante o tempo em que viveram. Conforme essa idéia, mesmo os anjos caídos, e o próprio Diabo, um dia se arrependerão, serão libertos do inferno e entrarão no céu. Não pode ser deixado no universo nenhum ser a quem o amor de Deus não venha a conquistar; daí as palavras: reconciliação universal.

Muitos têm apontado erros teológicos que acharam no livro. Eles encontram falhas na visão de Young sobre a revelação e sobre a Bíblia, sua apresentação de Deus, do Espírito Santo, da morte de Jesus e do significado da reconciliação, além da subversão de instituições que Deus ordenou, tais como o governo e a igreja local. Mas a linha comum que amarra todos esses erros é o Universalismo Cristão. Um estudo sobre a história da Reconciliação Universal, que remonta ao século III, mostra que todos esses desvios doutrinários, inclusive a oposição à igreja local, são características do Universalismo. Nos tempos modernos, ele tem enfraquecido a fé evangélica na Europa e na América. Juntou-se ao Unitarianismo para formarem a Igreja Unitariana-Universalista.

Ao comparar os credos do Universalismo com uma leitura cuidadosa de A Cabana, descobre-se quão profundamente ele está entranhado nesse livro. Eis aqui algumas evidências resumidas:

1) O credo universalista de 1899 afirmava que “existe um Deus cuja natureza é o amor”. Young diz que Deus “não pode agir independentemente do amor” (p. 102),[1] e que Deus tem sempre o propósito de expressar Seu amor em tudo o que faz (p. 191).

2) Não existe punição eterna para o pecado. O credo de 1899 novamente afirma que Deus “finalmente restaurará toda a família humana à santidade e à alegria”. Semelhantemente, Young nega que “Papai” (nome dado pelo personagem a Deus, o Pai) “derrama ira e lança as pessoas” no inferno. Deus não pune por causa do pecado; é a alegria dEle “curar o pecado” (p. 120). Papai “redime” o julgamento final (p. 127). Deus não “condenará a maioria a uma eternidade de tormento, distante de Sua presença e separada de Seu amor” (p. 162).

3) Há uma representação incompleta da enormidade do pecado e do mal. Satanás, como o grande enganador e instigador da tentação ao pecado, deixa de ser mencionado na discussão de Young sobre a queda (pp. 134-37).

4) Existe uma subjugação da justiça de Deus a seu amor – um princípio central ao Universalismo. O credo de 1878 afirma que o atributo da justiça de Deus “nasce do amor e é limitado pelo amor”. Young afirma que Deus escolheu “o caminho da cruz onde a misericórdia triunfa sobre a justiça por causa do amor”, e que esta maneira é melhor do que se Deus tivesse que exercer justiça (pp. 164-65).

5) Existe um erro grave na maneira como Young retrata a Trindade. Ele afirma que toda a Trindade encarnou como o Filho de Deus, e que a Trindade toda foi crucificada (p. 99). Ambos, Jesus e Papai (Deus) levam as marcas da crucificação em suas mãos (contrariamente a Isaías 53.4-10). O erro de Young leva ao modalismo, ou seja, que Deus é único e às vezes assume as diferentes modalidades de Pai, Filho e Espírito Santo, uma heresia condenada pela igreja primitiva. Young também faz de Deus uma deusa; além disso, ele quebra o Segundo Mandamento ao dar a Deus, o Pai, a imagem de uma pessoa.

6) A reconciliação é efetiva para todos sem necessidade de exercerem a fé. Papai afirma que ele está reconciliado com o mundo todo, não apenas com aqueles que crêem (p. 192). Os credos do Universalismo, tanto o de 1878 quanto o de 1899, nunca mencionaram a fé.

7) Não existe um julgamento futuro. Deus nunca imporá Sua vontade sobre as pessoas, mesmo em Sua capacidade de julgar, pois isso seria contrário ao amor (p. 145). Deus se submete aos humanos e os humanos se submetem a Deus em um “círculo de relacionamentos”.

8) Todos são igualmente filhos de Deus e igualmente amados por ele (pp. 155-56). Numa futura revolução de “amor e bondade”, todas as pessoas, por causa do amor, confessarão a Jesus como Senhor (p. 248).

9) A instituição da Igreja é rejeitada como sendo diabólica. Jesus afirma que Ele “nunca criou e nunca criará” instituições (p. 178). As igrejas evangélicas são um obstáculo ao universalismo.

10) Finalmente, a Bíblia não é levada em consideração nesse romance. É um livro sobre culpa e não sobre esperança, encorajamento e revelação.
Logo no início desta resenha, fiz uma pergunta: “Será que um trabalho de ficção precisa ser doutrinariamente correto?” Neste caso a resposta é sim, pois Young é deliberadamente teológico. A ficção serve à teologia, e não vice-versa. Outra pergunta é: “Os pontos positivos do romance não superam os pontos negativos?” Novamente, se alguém usar a impureza doutrinária para ensinar como ser restaurado a Deus, o resultado final é que a pessoa não é restaurada da maneira bíblica ao Deus da Bíblia. Finalmente, pode-se perguntar: “Esse livro não poderia lançar os fundamentos para a busca de um relacionamento crescente com Deus com base na Bíblia?”

Certamente, isso é possível. Mas, tendo em vista os erros, o potencial para o descaminho é tão grande quanto o potencial para o crescimento. Young não apresenta nenhuma orientação com relação ao crescimento espiritual. Ele não leva em consideração nem a Bíblia, nem a igreja institucional com suas ordenanças. Se alguém encontrar um relacionamento mais profundo com Deus que reflita a fidelidade bíblica, será a despeito de A Cabana e não por causa dela. (extraído de uma resenha de James B. De Young, Western Theological Seminary - The Berean Call - http://www.chamada.com.br)

Não fica pedra sobre pedra


Marcos 13.1 Ao sair Jesus do templo, disse-lhe um de seus discípulos: Mestre! Que pedras, que construções! 2 Mas Jesus lhe disse: Vês estas grandes construções? Não ficará pedra sobre pedra, que não seja derribada.

Diante da grande construção do Templo Jesus declarou que não ficaria pedra sobre pedra daquela grande e majestosa obra. E realmente aconteceu o que Jesus profetizou, se cumpriu a verdade da Palavra!

Como aquela construção (Templo) desabou e não ficou pedra sobre pedra:

Em primeiro lugar porque Jesus saiu do Templo. Essa é uma grande verdade espiritual. Se o Senhor não edificar a casa em vão edificam a obra.

Em segundo lugar não ficou pedra sobre pedra pela arrogância de Herodes que pensava estar agradando ao Deus de Israel pelo fato de reconstruir o Templo. Tem gente que pensa que pelo muito realizar está agradando a Deus. Não esqueçamos que no julgamento de Cristo muitos vão chegar desta forma: - em teu nome fiz...e Jesus responderá: - não vos conheço !

Em terceiro lugar não ficou pedra sobre pedra pela ganância dos soldados de Tito, que ouviram falar que havia ouro entre as pedras da construção. E literalmente tiraram pedra sobre pedra por causa da ganância.E triste ver muitos hoje indo aos templos pela busca do ouro escondido.
Não deixe Jesus sair das suas construções, não viva a arrogância de pensar que pelo muito fazer você está agradando a Deus e não busque receber prêmios pelo realizar a obra.

Caminhe realizando com Jesus, pois Aquele que Vive Eternamente... sejam toda Honra e toda Glória!

O Amado está na porta


Apocalipse 3.20 Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.

Cântico dos Cânticos 5.1 Já entrei no meu jardim, minha irmã, noiva minha; colhi a minha mirra com a especiaria, comi o meu favo com o mel, bebi o meu vinho com o leite. Comei e bebei, amigos; bebei fartamente, ó amados. 2 Eu dormia, mas o meu coração velava; eis a voz do meu amado, que está batendo: Abre-me, minha irmã, querida minha, pomba minha, imaculada minha, porque a minha cabeça está cheia de orvalho, os meus cabelos, das gotas da noite. 3 Já despi a minha túnica, hei de vesti-la outra vez? Já lavei os pés, tornarei a sujá-los? 4 O meu amado meteu a mão por uma fresta, e o meu coração se comoveu por amor dele.
5 Levantei-me para abrir ao meu amado; as minhas mãos destilavam mirra, e os meus dedos mirra preciosa sobre a maçaneta do ferrolho.
6 Abri ao meu amado, mas já ele se retirara e tinha ido embora; a minha alma se derreteu quando, antes, ele me falou; busquei-o e não o achei; chamei-o, e não me respondeu.

Fico preocupado e aterrorizado quando vejo pessoas que sem o conhecimento da Palavra de Deus e sem conhecer o caráter de Jesus imagina coisas vãs ao Seu respeito e sobre as suas atitudes.

Veja que coisa tremenda: Jesus não estava dentro da Igreja de Laodicéia. O Grande Rei estava do lado de fora da Igreja !

Jesus batia na porta da Igreja para que Ele pudesse entrar e ter comunhão com o Seu povo.

Bem como Salomão escatologicamente escreveu nos alertando que a Noiva (Igreja) se preocupou só com ela. Lavou-se, se embelezou. Estava atarefada com tantas coisas que estava cansada e ao se deitar rejeitou o convite do Noivo que estava batendo na porta.

Infelizmente nos dias de hoje tem muitos “crentes” que estão tão envolvidos com suas coisas. Envolvidos tantos com a “obra” que não tem mais tempo para abrir a porta.

Assim como a noiva de cantares e a Igreja de Laodicéia se achavam. Indiretamente diziam: não precisamos de ti Jesus. Sabemos como fazer o nosso culto !

A soberba de Laodicéia foi o seu fim.

A noiva de cantares quando se arrependeu já era tarde demais. Ela quando abre a porta, o noivo já tinha ido embora. Deixou somente o cheiro do seu perfume na maçaneta da porta.

Jesus está à porta e bate! O Grande Rei está voltando!

Grande é o nosso Deus

Caminhar em todo comprimento e largura


Gênesis 12.1-3 Ora, disse o SENHOR a Abrão: Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção! Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra.

Gênesis 13.17 Levanta-te, percorre essa terra no seu comprimento e na sua largura; porque eu ta darei.

Hoje, um dos grandes desafios para as pessoas é caminhar pela fé, sem saber o que acontecerá no próximo passo pelo caminho.

Abraão poderia pensar que não precisa de mais nada. Mesmo não tendo um filho, ele estava conformado, pois ele era um homem muito bem sucedido. E trocar tantas conquistas humanas, como bens e posições sociais, por uma Palavra de um Deus desconhecido, que pede que ele deixe tudo para trás e prossiga para um alvo aonde ele mesmo não sabia aonde era.

Mas ele não perdeu tempo e começou a andar para conquistar a promessa.O segredo das conquistas de Deus para as nossas vidas está ligado ao nosso caminhar. Onde o justo vive pela fé ! Onde Deus ordena que caminhemos em todo comprimento e largura da nossa promessa.

Josué 1.3 Todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado...

Basta caminhar sem se desviar nem para direita nem para a esquerda. E assim ser temperado, e não se apartar da Palavra, mas meditar e praticar e alcançar o que Deus tem para você!Caminhe nesta fé e serás abençoado e abençoador. E na tua casa repousará as bênçãos que foram declaradas sobre Abraão através de Jesus.

Caminhe!

Pense Nisso


EU CREIO EM JESUS SE ELE NÃO PASSAR DOS LIMITES...

João 8.

Pessoas podem “aceitar” coisas em nome de Deus por razões que não se pode explicar...

Jesus nos mostra como por trás de decisões humanas importantes na maioria das vezes a motivação é perversa...

Por exemplo, em João capitulo oito, Jesus diz coisas subjetivas e difíceis de entender, e, o resultado, é que os judeus que antes indagavam quem Ele era e por que dizia o que dizia, de súbito dizem agora “crer” Nele.

A esses tais Jesus disse que eles deveriam permanecer em Seus palavras a fim de que de fato se tornassem Seus discípulos [nada mais natural e óbvio...]; e acrescentou que se permanecessem em Sua Palavra eles haveriam de conhecer a verdade no intimo, e que a verdade os libertaria...
Quando Jesus usou o verbo “libertar”, eles, os judeus que haviam crido Nele, de repente se eriçaram...
Indagaram...

Nós somos descendentes de Abraão, já sobrevivemos a todos os cativeiros e dominios imperiais sem nos rendermos, e agora nem os romanos nos escravizam a alma, como pode você dizer que seremos libertos, se nunca fomos escravos?
Jesus explicou que falava de escravidão interior, do pecado... No entanto, o condicionamento cultural, político, ideológico, étnico, racial, genético, etc. — eram elementos mais fortes neles do que a tal da nova fé em Jesus.
Reagiram... Zangaram-se... Ficaram brabos...

Jesus replicou... Não deixou passar... Prosseguiu... Provocou...
O assunto do pedigree continuou...
Jesus disse que sabia que eles eram da ancestralidade de Abraão... Mas afirmou que espiritualmente a ancestralidade deles era outra, provinha de outro espírito... De fato era do diabo que eles se faziam filhos, pela mentira, pela incapacidade de se auto-encararem na verdade, e pelo ódio assassino que os habitava até quando falavam de fé...

Eles ficaram com ódio...
Partiram para a ignorância...
Disseram que estavam certos desde o principio, pois diziam que Jesus era samaritano e tinha demônios...

Assim, a “fé” que começa como uma adesão à subjetividade “profunda” do ensino quase esotérico de Jesus no contexto antecedente, de súbito se torna outra coisa..., e termina com a afirmação dos que tinham antes dito que haviam “crido em Jesus” — que... desde sempre haviam sabido que Jesus era de uma casta inferior [samaritano] e que tinha demônios agindo em sua vida...
Jesus, no entanto, nunca esteve animado com aquela “fé” tão “pronta e rápida”, pois, prosseguiu chamando-os para as implicações da confissão de fé, que é a entrega à verdade que nos liberta das doenças do pecado e de suas escravidões...

Do mesmo modo há muitos que são discípulos apenas do Jesus que não entendem, pois, quando Jesus os força a entenderem que ser discípulo não é achar Jesus o máximo, mas sim render-se ao reino da verdade no coração, então, a “fé” vira “ódio” e a “confissão” se torna “blasfêmia”...
É por esta razão que muitos “crentes” ficam com raiva do “evangelho”, ainda que para isso tenham que inventar histórias ou fazer do mensageiro um “samaritano e endemoninhado”...
Este é o nível da entrada do Evangelho como amargor nas entranhas do engano...
Em geral esse é um conflito apenas de crentes...

Pense nisso!...

Nele,

Caio
12 de setembro de 2009
Lago Norte
Brasília
DF

Isto também passará


Um dia o rei Salomão decidiu dar uma lição de humildade a Benaiah Ben Yehoyada, seu mais confiável ministro.

- Benaiah, existe um certo anel que eu quero que você traga para mim. Eu pretendo usá-lo para a festa de Sucot o que lhe dá seis meses para encontrá-lo.

- Se ele existe em qualquer lugar da terra, sua majestade, Benaiah respondeu, e vou encontrá-lo e trazê-lo, mas o que o torna tão especial?

- Ele tem poderes mágicos, respondeu o rei. Se alguém feliz olha para o anel, se torna triste; e se alguém triste olha para o anel, se torna feliz.

Salomão sabia que não existia tal anel em todo o mundo, mas ele queria ensinar um pouco do gosto da humildade ao seu ministro. A primavera passou e, em seguida o verão, e ainda Benaiah não tinha idéia de onde poderia encontrar o anel. Na noite antes da festa de Sucot, ele decidiu dar um passeio em um dos bairros mais pobres de Jerusalém. Ele passou por um comerciante que havia começado a recolher sua mercadoria em um surrado tapete. - Você por acaso ouviu falar de um anel mágico que faz com que quem o use, se está feliz esqueça sua alegria, e se está infeliz esqueça sua tristeza? perguntou Benaiah. Ele viu o senhor tirar um simples anel de ouro do seu tapete e gravar alguma coisa sobre o mesmo. Ao ler as palavras sobre o anel, rosto de Benaiah eclodiu em um grande sorriso.Naquela noite toda a cidade saudou o feriado de Sucot, com uma grande festa.

- Bem, meu amigo, disse Salomão, já que você encontrou o que lhe pedi?

Todos os ministros, e com eles o rei Salomão, sorriram. Para surpresa de todos, Benaiah apresentou um pequeno anel de ouro e disse:

- Aqui está ele, sua majestade!

Logo que Salomão leu a inscrição, o sorriso desapareceu de seu rosto. O joalheiro tinha escrito três letras hebraicas sobre o ouro: Gimel, zayin, yud. Estas são o acrônimo para a expressão "Gam Zeh Ya'avor" que significa "Isto também passará"*.

Diz-se que naquele momento Salomão percebeu que toda a sua sabedoria, riqueza fabulosa e tremendo poder, eram coisas fugazes, pois um dia também ele seria nada mais do que pó.

Fonte: David Franko, da Turquia, relatado ao Arquivo de Folclore de Israel, Universidade de Haifa, via Wikipedia. *Esta frase "Isto também passará" e a história deste anel tornaram-se populares com o discurso de Abraham Lincoln no seu discurso "Address Before the Wisconsin State Agricultural Society, Milwaukee, Wisconsin" em 30 de setembro de 1859.

Apocalipse 1.9,10 Eu, João, irmão vosso e companheiro na tribulação, no reino e na perseverança, em Jesus, achei-me na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus e do testemunho de Jesus. Achei-me em espírito, no dia do Senhor, e ouvi, por detrás de mim, grande voz, como de trombeta.

Como as pessoas te encontram na hora da tribulação? Murmurando? Talvez chorando sem mais nenhuma esperança?

João estava preso, por causa da Palavra de Deus, estava preso por crer nas promessas do Senhor e exilado por viver esta Palavra em sua vida.

Olha só que prato cheio, para dizer que Jesus o abandonou e que desistiu dele.Mas diante deste quadro, João declara que estava no espírito.

E sabendo que Aquele que o chamou ainda não tinha terminado a obra em sua vida!

Faça como João, ande no espírito!

I Pedro 3.4 seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranqüilo, que é de grande valor diante de Deus.

II Timóteo 4.22 O Senhor seja com o teu espírito. A graça seja convosco.

II Timóteo 1.7 Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.

João no dia da sua tribulação, foi encontrado no espírito, e pode ouvir a voz de Deus, e saiu daquela prisão, com valiosas revelações e promessas para a Igreja!

Ande no espírito cheio do Espírito Santo ! Porque um homem espiritual discerne todas as coisas mas não é discernido por ninguém !
É bom pensar !

" As adversidades não tornam os homens nem melhores nem piores. Apenas revelam-nos como são."

Os três inimigos da Cruz


Filipenses 3.2,3 Acautelai-vos dos cães! Acautelai-vos dos maus obreiros! Acautelai-vos da falsa circuncisão! Porque nós é que somos a circuncisão, nós que adoramos a Deus no Espírito, e nos gloriamos em Cristo Jesus, e não confiamos na carne.

Paulo nos adverte de três inimigos da Cruz e da Graça de Deus, e pede para que haja cuidado e prevenção contra os cães, os maus obreiros e os da falsa circuncisão.

Em primeiro lugar os cães têm algumas características, alguns gostam de proteger as pessoas e propriedades, mas se não obedecerem aos seus donos, se tornam perigosos.

Paulo nos diz para termos cuidados até com pessoas que na Igreja, aparentemente gostam de proteger, mas não são obedientes ao Senhor, e como característica sempre voltam à estaca zero em suas motivações.

II Pedro 2.22 Com eles aconteceu o que diz certo adágio verdadeiro: O cão voltou ao seu próprio vômito.

Como diz Pedro, sempre voltam ao fruto das suas entranhas.Outra característica é a busca de alimento, e só isso, e nesta fome, não valorizam a comida recebida.

Mateus 7.6 Não deis aos cães o que é santo ...

E assim sendo sempre se manifesta a rebeldia, que para o Senhor é como pecado de feitiçaria.

Apocalipse 22.15 Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira.

Em segundo lugar temos os maus obreiros, que podem ser identificados com aqueles que trabalham na obra de Deus, mas com motivações erradas, buscam ser reconhecidos pelos homens.

Lucas 17.10 Assim também vós, depois de haverdes feito quanto vos foi ordenado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos apenas o que devíamos fazer.

Por mais que façamos a obra, devemos entender o que disse Jesus, que sempre estaremos em falta, e fazer a obra não é mérito, para recebermos honra humana, e sim beneficio para as nossas vidas.

E em terceiro lugar devemos ter cuidado com aqueles da falsa circuncisão, que mostram só aparência, e se mostram limpos por fora e na verdade estão sujos no interior.

Romanos 2.29 Porém judeu é aquele que o é interiormente, e circuncisão, a que é do coração, no espírito, não segundo a letra, e cujo louvor não procede dos homens, mas de Deus.

Limpos de coração. Esta é a circuncisão buscada por Deus!Esses são os três inimigos da Cruz e da Graça de Jesus, acautelai-vos deles!


"O cão late quando seu dono é atacado. Eu seria um covarde se visse a verdade divina ser atacada e continuasse em silêncio, sem dizer nada."
João Calvino

Os três amigos da Cruz


Filipenses 3.2,3 Acautelai-vos dos cães! Acautelai-vos dos maus obreiros! Acautelai-vos da falsa circuncisão! Porque nós é que somos a circuncisão, nós que adoramos a Deus no Espírito, e nos gloriamos em Cristo Jesus, e não confiamos na carne.

Depois de exortar a Igreja, a ter muito cuidado com os três inimigos da Cruz, Paulo declara que há três amigos da Cruz e da Graça de Deus, que são chamados os verdadeiros da circuncisão.Não a exterior e carnal, mas a interior e espiritual.

Romanos 2.29 Porém judeu é aquele que o é interiormente, e circuncisão, a que é do coração, no espírito, não segundo a letra, e cujo louvor não procede dos homens, mas de Deus.

O primeiro é o que adora a Deus em espírito, que não precisa de platéia para apresentação, que não precisa de motivação humana para isso, mas tem no seu interior, um coração limpo e circuncidado, e o motivo para adorar ele tem e reconhece com gratidão, pois é extremamente um: salvo por Jesus!

O segundo é o que se gloria em Cristo, que sabe que toda honra e toda glória sejam dadas ao Rei, que a verdade da Palavra permanece nele, que Jesus cresça e eu diminua!

O terceiro é aquele que confia na cruz, que sabe que o sacrifício foi perfeito e eficaz, que despojou e envergonhou toda potestade e todo principado, e onde o Senhor declarou: - Está consumado!

Colossenses 2.1...e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz.Está consumado é o veredicto eterno! Que significa que Jesus não vai fazer por você, Ele já fez!

"A verdadeira medida de um homem não é como ele se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas como ele se mantém em tempos de controvérsia e desafio."

"Ao final, não nos lembraremos tanto das palavras de nossos inimigos, senão dos silêncios de nossos amigos."

"Não fiz o melhor, mas fiz tudo para que o melhor fosse feito. Não sou o que deveria ser, mas não sou o que era antes."

" Não me preocupa o barulho dos maus. E sim o silêncio dos bons."

Martin Luther king

Martin Luther King, Jr. (Atlanta, 15 de janeiro de 1929 — Memphis, 4 de abril de 1968) foi um pastor protestante e ativista político estadunidense. Membro da Igreja Batista, tornou-se um dos mais importantes líderes do ativismo pelos direitos civis (para negros e mulheres, principalmente) nos Estados Unidos e no mundo, através de uma campanha de não-violência e de amor para com o próximo. Se tornou a pessoa mais jovem a receber o Prêmio Nobel da Paz em 1964, pouco antes de seu assassinato. Seu discurso mais famoso e lembrado é "Eu Tenho Um Sonho".

Jesus My King