Um novo ano, e ninguém sabe para onde ir!

Para cada um de nós, o ano novo traz uma pergunta implícita: O que está por vir? O que terei de enfrentar? Como será minha vida neste novo ano? Através da história de Abraão, Deus nos dá mostras de que podemos confiar Nele.

Lemos no chamado capítulo dos heróis da fé: “Pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia” (Hebreus 11.8).

O homem de hoje está concentrado em ter garantias e em ter um plano bem organizado. Ele quer saber por qual caminho seguir e se pergunta no que pode confiar. Resumindo: ele quer considerar todas as eventualidades para poder calcular de forma exata e com antecedência quais atitudes deve tomar. Dificilmente alguém estará disposto a ir para algum lugar ou a assumir alguma tarefa sem conhecer os detalhes, sem determinadas premissas e garantias. A história da vida de Abraão também toca a nossa vida. No começo havia incerteza, mas no fim ele se transformou em exemplo e até no pai de todos aqueles que crêem (Romanos 4.11). O motivo foi a sua confiança inabalável no Deus vivo e em Suas promessas. A maior segurança em meio a todas as inseguranças deste mundo é crer na Bíblia.

Abraão não podia fazer nada além de acreditar naquilo que Deus lhe dizia. Essa atitude de fé é o mais importante que uma pessoa pode ter. A vida de Abraão foi marcante porque ele obedeceu pela fé e atendeu ao chamado divino. Sua fé foi colocada em prática. Fé e ação andam juntas como o violino e o arco, ou como a chave e a fechadura de uma porta. Se falta uma parte, a outra é inútil, pois não há como tocar uma bela melodia, não há como abrir ou fechar a porta. Abraão tinha “somente” a palavra de Deus. O Senhor chamou-o a sair de seu país, a deixar seus relacionamentos e abandonar tudo o que tinha conseguido até então – sem saber para onde iria. Mas, olhando para o restante da história de sua vida, reconhecemos o maravilhoso objetivo que Deus alcançou com Abraão.

Entramos em um novo ano sem saber para onde ele nos levará. Talvez o Senhor Jesus tenha colocado em seu coração um certo fardo, um desejo de fazer alguma coisa em Seu Nome, e talvez você tenha de dar um passo ousado. Também pode ser que você tenha sido chamado por Deus para executar uma tarefa mas não sabe como continuar nem para onde isso o levará. Abraão simplesmente se pôs a caminho, impelido pelo poder da Palavra de Deus.

No começo deste novo ano é muito importante ter isto diante de nossos olhos: precisamos nos pôr a caminho, juntar forças a cada momento e orientar-nos para o alvo. E nosso alvo são as coisas de Deus. É perfeitamente possível que durante o trajeto sejamos assaltados pelo medo, pois a dor, a tristeza, as preocupações e outros sofrimentos podem surgir em nossa vida. Pode ser que às vezes fiquemos resignados no caminho. Mas isto não deve impedir-nos de continuar marchando em direção ao desconhecido, ao futuro – confiando nas firmes promessas de Deus. É exatamente nessa área da nossa vida que a nossa fé no Senhor precisa de um novo impulso.

Depois de listar os heróis da fé (Hebreus 11), a Bíblia nos diz como alcançar o alvo: “...olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma” (Hebreus 12.2-3).
Depois que Abraão chegou à Terra Prometida, ele teve de suportar muitos testes de sua fé. Enfrentou a tentação de confiar mais em sua própria carne do que no Senhor que havia lhe dado a promessa. Em algumas situações de crise, tomou as rédeas em suas próprias mãos e foi derrotado. Mas o Senhor, em quem Abraão tinha depositado sua confiança, não o deixou cair. No fim, triunfaram a fé de Abraão em Deus e a fidelidade de Deus para com Seu amigo. O autor da carta aos Hebreus descreve a fé de Abraão com as seguintes palavras: “Pela fé, peregrinou na terra da promessa como em terra alheia, habitando em tendas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa” (Hebreus 11.9).

Nós também podemos, neste ano recém-iniciado, manter a fé nas promessas de Deus, mesmo quando os outros não nos compreendem e mesmo quando nos vêem como “estrangeiros” em seu meio. A fé em Jesus Cristo, em quem todas as promessas têm o “Sim” de Deus e por quem é o “Amém” (II Coríntios 1.20), nos ajudará a superar tudo o que é passageiro nesta terra até chegarmos ao grande alvo final.

O caminho da nossa existência vai da tenda passageira da vida terrena para junto do Deus eterno.
O objetivo de vida de Abraão era o mais elevado que uma pessoa pode almejar. Ele não somente sonhava com uma cidade melhor, mas a aguardava com expectativa viva e cheia de esperança: “...porque aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o arquiteto e edificador” (Hebreus 11.10). Abraão morreu e não conheceu esse lugar durante sua vida na terra, mas ainda assim ele esperava pela cidade eterna de Deus.

Não sabemos quando Jesus voltará; portanto, seria tolo tentar fazer algum cálculo. Mas uma coisa é certa: também neste ano podemos esperar pela volta de Jesus e pela Jerusalém eterna. Quer o Senhor volte neste ano ou não, quer vejamos o Arrebatamento ou tenhamos de morrer antes – o objetivo e a esperança é a vida eterna com o Senhor, que nos comprou por Seu precioso sangue e que voltará para a Sua Igreja. Um dia isto acontecerá: os mortos em Cristo e aqueles que ainda estiverem vivos serão arrebatados para a presença do Senhor (I Tessalonicenses 4.15-17) e terão sua morada na Jerusalém celestial (Apocalipse 21.9-10).

Abraão acreditava nessa cidade. E quando foi convocado a sacrificar seu único filho, Isaque, a respeito de quem o Senhor tinha feito tantas promessas, ele “considerou que Deus era poderoso até para ressuscitá-lo dentre os mortos” (Hebreus 11.19).
Sejamos cristãos que esperam pelo seu Senhor, neste novo ano mais do que nunca! Então valerá também para nós a maravilhosa promessa: “Porque guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para experimentar os que habitam sobre a terra” (Apocalipse 3.10).

Natal


Os textos chamados natalinos são todos de natureza revolucionária e marginal.

José é maior que o machismo, e aceita sua mulher, sem poder explicar para ninguém a gravidez dela (isso se alguém tivesse descoberto), mas apenas aceita o testemunho de um anjo, e, ainda pior: num sonho. José torna-se marginal. Deflagra as chamas da revolução da dignidade.

Os magos do oriente chegam conforme a Ordem de Melquizedeque, pois, sem terem nada a ver com a genealogia de Abraão, seguem uma estrela que anda no interior deles, e, caminhando nessa simplicidade discernem aquilo que os teólogos de Jerusalém só sabiam como “estudo bíblico”. Os que tinham a Escritura (os escribas), não tinham a Revelação. E quem nada sabia da Escritura tinha sabido o necessário acerca do Verbo pela via da Revelação. Uns sabiam o endereço: “Em Belém da Judéia...”, mas não tinham a disposição de sair do lugar... amarrados que estavam à idéia de que conhecer o texto leva alguém a qualquer lugar. Já os que perguntavam (os magos), estavam no caminho... seguiam... e são eles os que chegam onde Jesus estava. Eles dão testemunho do potencial revolucionário do Evangelho para qualquer alma da Terra. Esta é a revolução supra religiosa, conforme a Ordem de Melquizedeque.

A velha Isabel dá a luz um filho. Seu velho marido não pode nem contar a história, pois fica mudo. É a revolução dos estéreis e mudos.

O rei dos judeus não tem onde nascer! Esta é a subversão dos poderes!

Pastores distraídos são visitados por miríades de anjos—e eles representam os homens de boa vontade. É a marginalidade da Glória!

Nenhum dos sábios de Jerusalém discernem o Príncipe Eterno quando seus pais o levam ao templo para a circuncisão, mas apenas uma profetiza velha e um ancião sem significado religioso. A revelação não sabe os nomes dos sacerdotes!

Ou seja: a começar da Encarnação como Natal (nascimento), o Evangelho é para aqueles que não se esperava que fossem discerni-lo.

A Revelação é quase sempre marginal!

Os grandes atos de Deus não acontecem em Palácios, mas em choupanas e estrebarias. E a voz mais veemente do natal é a voz da virgem, da Maria simples, e que troveja a justiça de Deus sobre as nações. Ela é quem anuncia a grande subversão divina. E faz isto como um Cântico.

Dedico este texto a todos os que hoje se sentem afastados da religião, e que ainda carregam a culpa de assim estarem afastados.

Deus não é oficial. A vida não é oficial. O amor não é oficial. A Graça de Deus é sempre subversão e marginalidade. Na oficialidade são feitos os julgamentos. Na marginalidade explode a vida.

Abra seu coração e siga o Guia, conforme os magos. Seja generoso como José. Corajoso como Maria. Fértil como a estéril Isabel. Convicto como o mudo Zacarias. Alegre como aqueles que são acordados nos campos pela voz de anjos. Capaz de antever a salvação como esperança mesmo que você seja velho como Simeão e idoso como Ana.

Nas narrativas do Natal nas Escrituras não são as pessoas que vão a Deus, mas Deus que vai às pessoas.

O Natal acontece como afirmação de que em Jesus, Deus se reconciliou com os homens. Assim, não se sinta excluído, pois, eu sei, nestes dias, Deus enviará corais de vozes interiores, e nos ajudará a discernir o caminho interior da estrela, e nos fará contentes com a Graça de Hoje, e que será a esperança de amanhã, para nós e para todos os humanos.

No Natal Jesus é a alegria dos homens!

Longo Caminho


I Reis 19.7 Voltou segunda vez o anjo do Senhor, tocou-o e lhe disse: Levanta-te, e come, porque o caminho te será sobremodo longo.

Para onde nos conduz o caminho do Senhor?

Digo com profunda certeza a você que agora lê estas linhas: o Senhor preparou um "grande caminho" para você. Por isso, volte-se logo para o caminho do Senhor. "

Para onde?", você pergunta.

Apocalipse 14.4 responde: a ser como os "...seguidores do Cordeiro por onde quer que vá." Já posso lhe adiantar com certeza para onde esse caminho não conduz: ele não leva para onde sua carne quer. Por isso eu lhe peço muito que você reveja o grau de sua disposição em seguir o caminho do Cordeiro para onde quer que Ele for.

Pois esse caminho significa a absoluta entrega da própria vontade. O único caminho certo para você é o caminho pelo qual o Senhor já quer conduzi-lo há muito tempo, mas para o qual você ainda não se decidiu.

Até hoje o seu caminho sempre partiu do seu próprio "eu". Mas a base de partida do caminho do Senhor é única e exclusivamente o Calvário. Lá Ele espera por você. Você tem de voltar até onde o Cordeiro de Deus crucificado espera por você, ao Calvário. Somente partindo do Calvário você encontrará o caminho do Senhor.

Sem choro


Isaías 65.19...E nunca mais se ouvirá nela nem voz de choro nem de clamor.

Uma promessa maravilhosa! Você, filho de Deus, lá no alto não chorará mais, pois ali todo motivo para tristeza não existirá mais.

No céu não haverá mais amizade rompida nem esperança frustrada. Enfermidades físicas e mentais, mal-entendidos, perigos e morte serão totalmente desconhecidos ali.

Você pode ter certeza: no céu nenhum sofrimento o afligirá, nenhum pensamento de morte e nenhum prejuízo o oprimirá. Deus mesmo enxugará todas as lágrimas derramadas aqui na terra.

Também, por isso, no céu você não chorará mais, porque todos os seus profundos anseios e desejos estarão satisfeitos. O "coração mau e incrédulo" será então substituído por um novo coração. Você estará diante do trono de Deus, sem defeito e sem mácula, e terá se tornado perfeitamente igual à semelhança de Seu Filho.

Por isso, querido irmão, anime-se, pois: Deus "lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras cousas passaram."

Voltando errado


Oséias 7.16 Eles voltam, mas não para o Altíssimo.

Esta é a queixa do Senhor sobre Seu povo proferida pela boca do profeta Oséias. A uma conversão pessoal autêntica sempre segue um despertamento.

Despertamento significa vida, e vida se reparte com outros. Por isso, conversões com reação em cadeia são algo comum na Igreja de Jesus. Acerca da igreja primitiva, lemos: "Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos."

Onde isso não acontece, se estabelece uma desarmonia no interior dos crentes. Desarmonia é o maior inimigo do avivamento. Porém, em todo lugar onde corações divididos se voltam totalmente para Deus, forçosamente o Seu poder se manifesta.

Em II Crônicas 16.9 está escrito: "Porque, quanto ao Senhor, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é totalmente dele."

Portanto, a força do Senhor é experimentada por aqueles que estão totalmente consagrados ao Senhor. Corações desequilibrados e divididos não somente estão divididos para com o Senhor, mas também estão em desarmonia para com o mundo ao seu redor.

Por isso temos tantos relacionamentos e tantas famílias desequilibradas. Mas assim que seu coração se voltar totalmente para o Senhor outra vez, seu matrimônio e sua família serão curados.

O Significado Espiritual de Três Lugares

Na história do nascimento de Jesus, que mais uma vez celebramos com muita alegria neste Natal, três lugares desempenham um papel significativo. São locais históricos, visitados por muitas pessoas. Mas também podemos analisar seu sentido simbólico, e dele extrair profundas lições espirituais. Havia razões para Jesus nascer justamente em Belém. Sua fuga para o Egito tinha motivos, e não foi por acaso que Ele cresceu na cidade de Nazaré.

1. Belém

Miquéias 5.2 E tu, Belém Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.

Penso que Deus, ao afirmar: “...Belém, ...pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá”, está nos dizendo que ama os pequenos, e que Jesus veio justamente para os que nada representam neste mundo, que normalmente não são vistos nem notados no meio da multidão.

Deus, porém, vê a todos. Para Deus, você não é uma entre milhares de pessoas. Imagine a cena: o Deus Eterno, que sempre existiu, tornou-se homem em Jesus, nasceu e foi enrolado em faixas e deitado em uma manjedoura numa estrebaria em Belém.

Lá, onde tudo cheirava a comida e a esterco de animais, Jesus veio ao mundo. Certa vez, alguém disse: “Muitos homens quiseram ser deuses, mas só um Deus desejou ser homem”. O Senhor se humilhou tão profundamente para nos elevar até o céu. Ao escolher um lugar tão insignificante para o nascimento de Seu Filho, Deus está nos transmitindo a mensagem de que se importa com os “pequenos” e com os que não são nada diante do mundo. Jesus veio para buscar e salvar o perdido, o desprezado, o miserável e o de coração quebrantado.

2. O Egito

O Egito é usado na Bíblia como símbolo de escravidão, jugo e cativeiro. Lá viviam os israelitas nos tempos de Moisés, em uma terra estranha, longe da sua pátria. Os judeus eram obrigados a fazer trabalho pesado e eram oprimidos pelos egípcios. Mas chegou o dia de seu êxodo, de sua libertação da escravidão. Israel foi conduzido à liberdade para servir a Deus. Naquela ocasião, os israelitas foram resgatados pelo sangue de um cordeiro. Quando Jesus, o Cordeiro de Deus, esteve no Egito, isso indica que Ele é o Grande Libertador.

Existe tanta opressão e escravidão neste mundo, mais do que imaginamos. Quantos são escravos do pecado, de seus instintos, de suas paixões e vícios. Pela sua própria força não conseguem se livrar dessas amarras. Jesus disse: “Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (João 8.34,36).
Muitos já afirmaram que não são como gostariam de ser, que sempre caem nos mesmos erros, que constantemente ficam irados e repetidamente fazem coisas que imaginavam ter superado. Seu desejo sincero é amar aos outros, mas às vezes isso parece impossível.

Outros permitem que seu interior seja corroído pelo ódio, pela inveja, por ciúme e desamor. São prisioneiros de si mesmos, sem que o queiram. Como seria maravilhoso se todos pudessem se livrar dessas amarras do mal!
Jesus veio para nos libertar. Ele é o Cordeiro de Deus sem mácula, que deu Seu sangue por nós, para nos resgatar. Todos estão debaixo do poder do pecado e vendidos ao Diabo. Muitos pensam que mandam em si mesmos, mas são regidos por um poder de fora. Pensam ser livres, mas são escravos. “Aquele que pratica o pecado procede do Diabo, porque o Diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do Diabo” (I João 3.8). Essa é a lição espiritual que podemos aprender ao estudar o significado que o Egito tem na Bíblia.

3. Nazaré

Nazaré era uma das cidades de má reputação em Israel, um lugar muito desprezado. Por isso, Natanael chegou a perguntar em certa ocasião: “De Nazaré pode sair alguma coisa boa?” (João 1.46). Mas justamente Jesus é chamado de “Jesus de Nazaré”. Isso significa que Jesus não se identifica com o pecado, mas identifica-se completamente com o pecador. Jesus colocou-se voluntariamente no lugar dos desprezados e de má fama, dos acabados, dos indigentes, dos criminosos, dos sem valor algum e de todos aqueles que não têm um bom nome. Ele veio para todas as camadas da sociedade. Para Jesus, ninguém é ruim demais para receber Sua graça. E ninguém é muito bom, sem precisar dela. Nazaré nos lembra que Jesus veio para todos, ama a todos e se identifica com cada um de nós.

Te esperamos !


Isaías 26.8 Também através dos teus juízos, Senhor, te esperamos.

Necessitamos tanto de força e poder interior! É o que encontramos na tranqüila espera e na confiança, como lemos em Isaías 30.15: "Em vos converterdes e em sossegardes, está a vossa salvação."

Por natureza não temos esse sossego, esse esperar confiante. Isso nos cria muitas dificuldades. Por quê? Porque enquanto esperamos no Senhor esperamos também por muitas outras coisas. E aí, quando nossas expectativas não se realizam imediatamente, ficamos decepcionados.

Precisamos aprender a esperar e confiar exclusivamente em uma só Pessoa: Jesus! Portanto, o que faz diferença não é a perseverança em si, mas é a espera em Deus, essa confiança no Senhor que não permite que sejamos envergonhados.

Essa atitude consiste em constante e ininterrupta expectativa, em uma atitude de espera. É de profundo significado quando o salmista exclama: "Deus... em quem eu espero todo o dia." Em outras palavras, perseverar sem cessar. Aparentemente existem dias bons e dias ruins, mas a ininterrupta espera no Senhor cada vez mais liberta nosso coração dos altos e baixos de nossas emoções. A Bíblia diz: "...porquanto o que vale é estar o coração confirmado com graça." Mas só recebemos essa graça estabilizadora na espera ininterrupta em Deus: "Quanto a mim, esperarei sempre..."

Por que se queixa?


Lamentações 3.39 Por que, pois, se queixa o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus próprios pecados.

Existe uma linha muito tênue que separa o lamento por um sofrimento pelo qual estamos passando, e uma queixa que passa a ser pecado.

É uma infelicidade nós, como crentes, nos queixarmos quando algo ruim nos acontece. Assim passamos do lamento à queixa. Com nosso queixume negamos claras afirmações das Escrituras, como, por exemplo, Romanos 8.28: "...sabemos que todas as cousas cooperam para o bem..." Ou II Coríntios 4.17: "Porque a nossa leve e momentânea tribulação..."

Se você parar para pensar nas coisas boas que o Senhor lhe deu e nas bênçãos que resultam das aparentes "catástrofes", o louvor ao Senhor fluirá de seus lábios. Pedimos ao Senhor que fluam rios de água viva de nossas vidas, mas ao mesmo tempo não estamos dispostos a aceitar que o leito do rio seja escavado larga e profundamente!

A situação difícil em que você talvez se encontre neste momento trará gloriosas correntes de bênção se você começar a agradecer ao Senhor imediatamente. Se você passa por um período de profundo abatimento, sem dúvida está diante de um alargamento de fronteiras em sua vida espiritual. Por isso, aprenda a praticar o que dizem as Santas Escrituras: "...dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.

Morrer e ressuscitar


I Tessalonicenses 4.14 Pois se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará juntamente em sua companhia os que dormem.

Essa fé deve caracterizar nossa vida hoje e agora!

Como sucederá o arrebatamento? O que acontecerá naquele instante? Paulo diz: "...depois nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares..." Imagine isso na prática! De todos os recantos e dos confins da terra, as pessoas serão arrebatadas, e todas seguirão na mesma direção: ao encontro de Jesus vindo nas nuvens do céu!: "...e assim estaremos para sempre com o Senhor."

O arrebatamento, portanto, vem do Senhor. Ele é a fonte de poder. Ele ignora a morte. Porque estamos em Jesus é que seremos transformados e iremos ao Seu encontro. O centro do arrebatamento é o Senhor ressurreto – Ele somente!

Você está deixando que Ele, o Senhor, domine e governe totalmente a sua vida? Será que você pode fazer suas as palavras de Paulo, e testemunhar como ele o fez quando falou do caminho da renúncia do "eu", para que a vida que vem de Deus possa agir de maneira proporcionalmente eficaz em você tornando-o apto para o arrebatamento? Paulo formula essa questão da seguinte maneira na carta aos coríntios: "...levando sempre no corpo o morrer de Jesus para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo."

Casa eterna


II Coríntios 5.1 que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, casa não feita por mãos, eterna, nos céus.

Para nós deve estar absolutamente claro que somente serão levados com Jesus nas nuvens aqueles que aceitam a morte e ressurreição de Jesus Cristo. O arrebatamento, que é ordenado pelo Senhor ressurreto, é um ignorar da morte.

Em outras palavras: quando Jesus, o Ressurreto, aparecer nas nuvens do céu, a Sua vitória sobre a morte se manifestará imediatamente. Onde estão os nossos mortos agora? A resposta é: no momento em que um filho de Deus morre, seu espírito vai para o paraíso. (Enfatizo: isso só acontece com pessoas que nasceram de novo.)

Mas seu corpo espera pela ressurreição, pois as bodas do Cordeiro não terão sido realizadas ainda. Um filho de Deus que dorme, que já faleceu em Cristo, será o primeiro a se encontrar com o Senhor, pois já espera há mais tempo pela ressurreição do que os que ainda estão em vida.

Os mortos em Cristo, portanto, serão os primeiros a receberem o corpo de glória. Seus espíritos, porém, estarão com o Senhor imediatamente após sua morte. Eles são indizivelmente bem-aventurados, e a sua situação é muito melhor do que a dos vivos. Por ocasião do arrebatamento, acontecerá a verdadeira grande festa, na qual eles e nós receberemos um corpo que será semelhante ao corpo de glória de Jesus!

Atraídos


I Tessalonicenses 4.14 se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará juntamente em sua companhia os que dormem.

Afinal, será que é possível todos os renascidos serem arrebatados do meio da multidão? Qual é a força que tem condições de distinguir com tanta precisão quem deve ser retirado e quem deve ficar?

Certa vez, essa pergunta foi feita a Edison, o famoso descobridor da lâmpada elétrica. Seus sábios colegas lhe perguntaram: "Como é possível somente os crentes serem arrebatados ao encontro do Senhor?" Ele lhes respondeu com uma explicação bem prática. Tomou uma caixa de areia bem fina e misturou nela limalha de ferro miúda, sacudindo tudo muito bem. Por cima da caixa de areia ele colocou um ímã potente. Embora a areia começasse a se mexer, nada aconteceu com ela. As pequenas partículas de ferro, porém, voaram todas em direção ao ímã.

Assim será por ocasião do arrebatamento! Todos aqueles que tiverem a aptidão interior, a ligação com o Cordeiro de Deus, serão arrebatados. Qual é, portanto, a força motriz para desencadear esse processo? O arrebatamento, pelo qual esperamos, será uma irradiação do poder da ressurreição de Jesus Cristo. Aquele que não crê na ressurreição de Jesus também não pode ser arrebatado.

A Árvore da Vida


Apocalipse 2.7 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus.

Como é gratificante ler o livro de Apocalipse, e ver o cuidado e o amor que Deus tem pela sua Igreja. O amor que Deus tem pelos seus filhos.

Nas cartas as sete Igrejas, encontramos Jesus sempre relatando assim: ao vencedor... ao vencedor...porque em Cristo nós somos mais que vencedores!

Aqui no texto há a promessa de comer da árvore da vida, de comer o que faz bem, de comer o que é eterno. De comer vida!

Somos o que comemos!
Comemos o que plantamos!
Que são frutos das nossas atitudes!

Isaías 3.10 Dizei aos justos que bem lhes irá; porque comerão do fruto das suas ações.

Do que você tem se alimentado?
Está te fazendo bem?

Como disse Davi no Salmo 23, o Senhor prepara um banquete!
E como disse Jesus: e não é para comer migalhas que caem desta mesa, e sim se assentar e desfrutar do melhor que Ele preparou para você!

Coma o que produz vida!

A trombeta soará !


I Coríntios 15.52 A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.

Quando Paulo escreve aos tessalonicenses sobre o arrebatamento, ele mesmo se interrompe, embora estivesse sendo inspirado pelo Espírito Santo, a fim de salientar que eram palavras do Senhor: "Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor..."

Em seu discurso profético em Mateus 24, o próprio Senhor Jesus menciona 24 acontecimentos como sinais da Sua vinda, por exemplo, guerras, rumores de guerras, etc, sinais esses que são destinados ao povo de Israel.

Mas para a Igreja de Jesus só existe um grande sinal pelo qual ela pode reconhecer que o arrebatamento está às portas. E este sinal é Israel! Por isso os conflitos cada vez maiores com Israel são um sinal do breve arrebatamento da Igreja de Jesus. Paralelamente a isso também aumentam as tribulações dos filhos de Deus, nas quais todos nós deveríamos nos tornar cada vez mais perseverantes na fé.

Na prática, somos forçados a constatar que, nos últimos tempos, experimentamos um aumento das tentações e tribulações, com situações que há dez anos nem imaginávamos. São tentações que muitas vezes não podemos definir. Elas trarão o juízo sobre o mundo, mas se formos perseverantes e nos afirmarmos nas promessas do Senhor, estaremos sendo preparados para o arrebatamento!

A Noiva


I Coríntios 2.9 Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.

A Igreja de Jesus é apresentada nas Escrituras como tendo uma porção dobrada de glória, ou seja, como Corpo de Cristo e como Templo de Deus.

A verdadeira glória do membro da Igreja de Jesus é tão grande, tão imensa, que só podemos imaginá-la por meio de uma representação figurada, por exemplo, quando o Senhor diz que somos Seu corpo, Seu templo. A glória em si é algo que não se consegue descrever.

No Novo Testamento há sete parábolas do Senhor sobre Suas bodas – elas tratam de Seu casamento com a noiva. Mas em nenhuma delas a noiva é mencionada; ela nem aparece. Ela ainda está oculta. Por quê? Porque a noiva do Cordeiro somente será revelada no arrebatamento de toda a Igreja de Jesus, diante do Tribunal de Cristo.

Esse grande momento decide quem de fato pertence à noiva do Cordeiro e quem não pertence. Não é por acaso que a noiva só é mencionada no último livro da Bíblia: a "...esposa a si mesma já se ataviou." Como deveríamos nos esforçar mais ao nos dar conta da grandiosidade dessa glória!

O que é lucro?


Filipenses 3.7 Mas o que para mim era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo.

O que Paulo escreve posteriormente aos filipenses sobre si mesmo explica porque ele, logo após sua conversão, já orou com tal convicção.

Várias vezes, Paulo repete que considera tudo como perda para ganhar a Cristo. Com essa disposição, ele podia orar com todo o poder. Como pessoa e como religioso, ele havia fracassado totalmente.

O céu reage e entra em movimento quando pessoas se dirigem ao Deus verdadeiro. O Senhor diz especificamente a Ananias ao enviá-lo a Paulo: "...pois ele está orando". Qual foi o aspecto especial da oração de Paulo que o levou a ser ouvido? Resposta: sua oração foi de todo o coração! "Porque, quanto ao Senhor, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é totalmente dele."

Isto quer dizer, na prática, que os olhos de Deus vêem todos aqueles que oram, procurando os que O buscam de todo o coração: "...quando me buscardes de todo o vosso coração. Serei achado de vós..."

Disposição para obter


I João 3.22 E aquilo que pedimos, dele recebemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos diante dele o que lhe é agradável.

A disposição para obter

Não devemos simplesmente só obter. João acrescenta mais alguma coisa: "...guardamos os seus mandamentos." Com essas palavras, ele não diz outra coisa do que obedecer.

Pedimos muito, mas não obtemos. Por que não temos poder para obter? Será que Deus se tornou tão duro, e Seu braço curto demais para ajudar? Claro que não! Mas você não faz o que Ele diz! Você não quer obedecer, não quer chegar à completa verdade, não quer perdoar, e por isso não pode estar firme na fé.

Estes vários aspectos estão intimamente ligados; na verdade, eles são um todo: disposição para receber, disposição para a verdade, disposição para crer, disposição para ser corrigido, disposição para perdoar. Dessa maneira, também haverá a disposição para obter o que se pede, quando se faz o que o Senhor quer.

A vida de uma pessoa que é obediente e ora se torna indizivelmente rica, podendo exclamar como Davi: "...o meu cálice transborda"; e como Paulo: "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo."

Disposição para perdoar


Marcos 11.25 E, quando estiverdes orando, se tendes alguma cousa contra alguém, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas.

A disposição para perdoar
Um sinal característico dos cristãos dos tempos finais é a sua falta de disposição para perdoar.

Se não perdoamos de todo o coração as pessoas que têm algo contra nós, o Senhor fechará o céu para nós.

Devemos estar conscientes de que a medida com que medimos os outros também é usada em relação a nós: "...perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores." Não faz sentido orar por avivamento se não estamos dispostos a chegar ao âmago da questão. Somente quando chegamos à presença do Senhor vivo, Ele se revelará a nós, derramará Seu Espírito e dará avivamento.

Devemos nos expor completamente à santidade do Senhor, caso contrário nos tornaremos mornos, e nossas reuniões de oração se transformarão em apenas um "clube de oração".

Nosso Senhor procura hoje em dia pessoas que – como os discípulos – estejam cheias do Espírito Santo, limpas e sinceras, firmes na fé e reconciliadas umas com as outras. Então oraremos, e o Senhor responderá, como está escrito em Isaías 58.9: "...então clamarás, e o Senhor te responderá; gritarás por socorro, e ele dirá: Eis-me aqui."

Eis o caminho para o avivamento.
Estamos dispostos a segui-lo?

Disposição para ser corrigido


Josué 7.10 Então disse o Senhor a Josué: Levanta-te; por que estás prostrado assim sobre teu rosto?

A disposição para ser corrigido

Este é um ponto delicado. Não existe nada que perscrute tanto o coração como a oração. Quando oramos, comparecemos na santa presença de Deus, e é feita como que uma radiografia até o mais íntimo do nosso ser.

Tudo é manifesto, e se existe um pecado atrapalhando a comunicação com o Senhor, Deus não aceita dizermos simplesmente: "Senhor, caso haja algo errado em minha vida..." Essa é uma desculpa barata. Se existe algo, o Senhor coloca o Seu dedo ali e nos mostra qual o motivo que nos impede de chegar à Sua presença.

Vemos isso no caso de Josué: "Então Josué rasgou as suas vestes, e se prostrou em terra sobre o seu rosto perante a arca do Senhor até a tarde..." Devemos estar dispostos a sermos corrigidos! "Então disse o Senhor a Josué: Levanta-te; por que estás prostrado assim sobre o teu rosto?" Se desistirmos do falatório vazio e vão que muitas vezes é a nossa oração, se deixarmos de lado o formalismo religioso que muitas vezes caracteriza as orações dos cristãos, e chegarmos à presença do Senhor, também haverá em nós a disposição de sermos corrigidos.

Não terá sentido participar de reuniões de oração se não existir essa disposição de aceitar a correção do Senhor. Oração verdadeira é disposição para ser corrigido.

Disposição para a Verdade


Hebreus 10.22 Aproximemo-nos, com sincero coração.

A disposição para a verdade

É inútil realizar reuniões de oração se não se quer a verdade. "Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade. E nisto conheceremos que somos da verdade, bem como, perante ele, tranqüilizaremos o nosso coração." Com essas palavras, o apóstolo quer dizer o seguinte: se estamos totalmente na verdade, e praticamos o que dizemos crer, conseguimos aquietar nosso coração diante de Deus em oração.

Se nos aquietarmos nEle, que é a verdade, teremos condições de orar até sermos atendidos. Mas muitos cristãos não chegam ao interior do santuário de Deus porque a porta está fechada. Eles têm condições de pronunciar sua oração, mas ficam aliviados quando chega a hora de dizer "amém".

Há em você algo que está bloqueado porque não está disposto à toda a verdade? Por toda parte se realizam reuniões de oração, mas não há despertamento, não há resposta às orações porque não há disposição para receber o Espírito do Senhor, e ânimo para uma sinceridade e transparência completa.

Disposição para receber


Romanos 8.26 Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira com gemidos inexprimíveis.

Se de fato o Espírito Santo ora por meio de nós, não são os nossos desejos, mas os anseios de Deus que Ele gostaria de realizar. Portanto, se a nossa oração for a oração do Espírito Santo, o atendimento será garantido. Observemos hoje, e nos próximos dias, seis aspectos importantes para a oração.

A disposição para receber

O Espírito Santo nos proporciona aquilo que Deus quer nos dar. Mas, para isso, devemos estar dispostos a receber o Espírito Santo. Muitos dirão que nós, cristãos, já temos o Espírito Santo. Isto é verdade, desde que sejamos renascidos, pois "ninguém pode dizer: Senhor Jesus! senão pelo Espírito Santo."

Mas nem sempre somos cheios do Espírito Santo. Por isso é necessária a disposição de recebermos sempre nova plenitude do Espírito de Deus preparada pelo Senhor para nós.

Como se manifesta essa disposição? "Todos estes perseveravam unânimes em oração..." Esse é o fundamento, ou seja, a condição para poder receber Espírito Santo. A disposição do coração para receber, portanto, está em primeiro lugar.

Tu me amas?


João 14.21 Aquele que me ama, será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele.

A pessoa que pratica a Palavra de Deus, que ama ao Senhor, entra na esfera do maravilhoso amor do Pai e do Filho, e o Pai e o Filho vêm à sua vida, e fazem morada em seu coração.

Essa promessa que diz que o Senhor se manifesta àqueles que praticam a Sua Palavra, provando que O amam, vemos cumprida, por exemplo, logo após a ressurreição de Jesus. Naquele momento, aconteceu algo emocionante: Jesus se revelou de uma maneira bem especial exatamente ao discípulo que mais havia fracassado por ter negado ao Senhor três vezes, mas que, apesar disso, O amava!

Justamente a Pedro o Senhor queria levar à perfeição. Por esse motivo, Jesus lhe perguntou três vezes: "Simão, filho de João, tu me amas? Pedro entristeceu-se por Ele lhe ter dito, pela terceira vez: "Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as cousas, tu sabes que eu te amo."

Sempre que falamos sobre essa passagem bíblica, não devemos esquecer que aqui o Senhor não se refere ao pecado de Pedro, mas, sim, única e exclusivamente se Pedro O amava.

Qual futuro você deseja ?


Jeremias 29.11 Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que desejais.

Aquele que tem sua pátria nos céus entra inevitavelmente na esfera do poder do amor de Deus. Deus não é "amoroso", Ele é amor, e todos os Seus intentos e caminhos para os Seus filhos são motivados pelo Seu maravilhoso amor.

O que pode acontecer é em algumas situações não reconhecermos esse maravilhoso amor dirigindo nossa vida e nos levando por caminhos que não conseguimos entender. Pois assim fala o Senhor por meio de Isaías: "Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos."

O Senhor Jesus tem uma profunda compreensão conosco quando temos dificuldades em entender ou ver o agir de Deus em nossa vida. Por isso Ele também diz: "O que eu faço não o sabes agora, compreendê-lo-ás depois." Quando o compreendermos nos admiraremos e com lágrimas confessaremos: "Senhor, tu tiveste intenções tão boas comigo, mas eu não pude entender!"

Minha Pátria está nos céus


Filipenses 3.20 Pois nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.

Paulo diz aqui: "...nossa pátria está nos céus", mencionando também o alvo dessa esperança: "...de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo."

O andar no espírito durante nossa vida aqui é o primeiro degrau para nosso arrebatamento: "...o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as cousas."

Como sabemos, o Senhor Jesus, com Sua ascensão ao céu já nos levou consigo. Nenhum dos comprados com Seu sangue fica para trás, pois somos membros do Seu corpo, sim, nós formamos o corpo de Jesus Cristo. Por isso está escrito que "quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então vós também sereis manifestados com ele, em glória."

Este acontecimento da transformação e arrebatamento está muito próximo! Se sua ligação com o Senhor é instável ou até está interrompida, aproxime-se agora de Jesus para obter purificação no Seu sangue e para ter condições de seguir ao Seu encontro com grande alegria quando Ele voltar.

Render graças ao Senhor


Neemias 12.8 Matanias... e seus irmãos dirigiam os louvores.

O louvor é importante? Existem tantos ofícios: serviço de assistência aos menores; departamento de trânsito; registro civil; etc. Mas na Bíblia é mencionado um ofício bem especial: o ministério do louvor.

Não sabemos porque essa expressão só aparece uma vez nas Escrituras. Neemias nomeou para esse ofício um dos homens que haviam voltado da Babilônia (atual Iraque).

Sabemos que o louvor é uma expressão de fé, mas o nosso conhecimento é muito pouco do quanto o Senhor espera pelo nosso louvor. Na verdade, Deus, o Senhor, reage imediatamente, e o faz de maneira visível, sensível e com todo o poder quando O louvamos de todo o coração, pois assim demonstramos que cremos.

Por isso, por exemplo, queixar-se por se sentir sobrecarregado é incredulidade atrevida, pois temos uma fonte cujas correntes de força nunca secam.

Eu enfatizo mais uma vez que o Senhor reage imediatamente, e que no mundo invisível acontece alguma coisa quando começamos a louvar exatamente na situação em que nos encontramos. Algo "estala", e o poder do inimigo é quebrado.

O inimigo ameaça, oprime e atormenta, mas será derrotado se você se atrever a começar a louvar! Agradeça até que venha o avivamento, pois Salmo 92.1 diz: "Bom é render graças ao Senhor."

Aprendendo a obedecer


Hebreus 5.8...Embora sendo Filho, aprendeu a obediência pelas cousas que sofreu.

Se quisermos obter vitória no dia-a-dia, precisamos estar dispostos a nos tornar obedientes. E isso deve proceder de uma decisão do fundo do coração.

Se dou um sim sincero para o Senhor, se a qualquer preço faço o que Ele pede, Ele manifesta a Sua vontade através de mim. Olhemos para o Senhor Jesus: qual foi a base da Sua ilimitada vitória?

Seu segredo foi a Sua obediência!

Muitos não chegam à obediência prática porque ainda não se tornaram obedientes em seu coração. Devemos refletir muito bem diante do Senhor: quero fazer realmente, a qualquer preço, o que Deus quer?

Assim, a vitória se seguirá à obediência. A obediência, portanto, é uma decisão interior que, depois, se manifesta exteriormente. O que o Senhor Jesus disse antes de subir à cruz, antes até de ter se tornado carne, estando ainda na eternidade? "Eis aqui estou... agrada-me fazer a tua vontade."

A decisão por parte do Filho de Deus já havia sido tomada na eternidade, antes da fundação do mundo. Sua vinda a esta terra foi a execução da vontade de Deus. É importante que reconheçamos claramente o que significa obediência. Obediência significa fazer a vontade de Deus, só assim Ele pode operar através de nós ilimitadamente!

Um


João 17.23 Eu neles e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste, e os amaste como também amaste a mim.

O quanto o nosso Senhor Jesus Cristo tem em vista a morada do Pai e do Filho por meio do Espírito Santo nos corações daqueles que O seguem nos mostra tanto a oração de Jesus em nosso favor como também Sua exigência: "Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste."

Se temos o Senhor Jesus em nossa vida, somos transformados na Sua imagem, como Paulo expressa de maneira tão magistral: "Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele." Assim, o Pai e o Filho se unem totalmente, através do Espírito Santo, à pessoa que corresponde ao amor de Deus. "...a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste.
Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado, para que sejam um, como nós o somos."
Aqui o Senhor fala de ser organicamente unido com os Seus: o Pai e o Filho pelo Espírito Santo habitando nos crentes. É assim que, como renascidos, somos templo do Espírito Santo.

Combate o bom combate


I Timóteo 6.12 Combate o bom combate da fé.

O bom combate da fé só é compreendido corretamente e exercitado por poucos.

A grande maioria dos cristãos combate, mas não corretamente. Paulo especifica: "Igualmente o atleta não é coroado, se não lutar segundo as normas." O fato de lutarmos não é o mais importante, mas que lutemos corretamente!

Combater corretamente significa combater tendo um alvo em mente, tentando alcançar um objetivo. Contudo, para podermos combater o bom combate de maneira efetiva precisamos primeiro conhecer nosso inimigo ou nossos inimigos.

Precisamos estar conscientes de que os verdadeiros inimigos não são pessoas de carne e sangue, como nos diz Efésios 6.12: "...porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e, sim, contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes."

Por isso considerar pessoas como nossos verdadeiros inimigos é uma atitude infantil, pois as forças motrizes da mentira humana, da deslealdade e do ódio sempre têm os poderes das trevas por trás.

Mas o Senhor Jesus venceu e tirou o poder do inimigo do homem na cruz do Calvário. Sua vitória é a nossa vitória! Por isso, o bom combate da fé consiste em não lutarmos mais por nós mesmos, mas partindo da vitória conquistada por Jesus!

Enganoso é o coração


Jeremias 17.9,10 Enganoso é o coração, mais do que todas as cousas, e desesperadamente corrupto, quem o conhecerá? Eu, o Senhor, esquadrinho o coração...

A questão da natureza do coração é decisiva em relação à eficácia que a Palavra de Deus tem em nós. Freqüentemente não conhecemos o nosso próprio coração, mas o Senhor o conhece!

Devemos questionar a maneira com que recebemos a Palavra de Deus em nós. Será que você e eu tiramos teimosia, desânimo e pecado do nosso coração antes de nos dispormos para receber Sua Palavra?

Tiago 4.7,8 nos exorta: "Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. Chegai-vos a Deus e ele se chegará a vós outros. Purificai as mãos, pecadores; e vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração."

Essas são as quatro coisas que o Senhor exige de nós. Peço-lhe que observe a seqüência das ordens acima e obedeça-as, caso contrário você se iludirá ao receber a Palavra de Deus.

Primeiro: resista ao inimigo em nome de Jesus.
Segundo: aproxime-se de Deus.
Terceiro: purifique-se pelo precioso sangue do Cordeiro.
Quarto: santifique seu coração inconstante.

Se você proceder dessa maneira, o terreno do seu coração estará preparado como o Senhor Jesus o descreve na parábola do semeador. Caso não o fizer, você estará se enganando a si mesmo.

Tiago 1.26 adverte: "...enganando o próprio coração, e sua religião é vã."

Você precisa !


João 14.21... Eu também o amarei e me manifestarei a ele.

Seja o que for que tenha acontecido em sua vida, sejam quais forem os pecados que você cometeu – se você, como Pedro outrora, disser hoje a Jesus: "Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo", então Ele se revelará a você.

O problema por que você, como filho de Deus, não é cheio do Espírito Santo é porque o Senhor Jesus ainda não pôde se revelar em sua vida. Existe um grande número de pessoas que crê sinceramente em Jesus Cristo, mas até hoje lhe falta a revelação do próprio Senhor. É certo que quem Nele crê experimenta o Seu poder de vitória. Mas aqui chegamos a um ponto mais profundo: aquele que demonstra o seu amor ao Senhor por meio da obediência à Sua Palavra, a essa pessoa Deus se revela!

E se o próprio Deus se revelar a você, isso não acontecerá para seu proveito próprio. Antes pelo contrário, você recebe do Senhor a tarefa de transmitir a outros essa revelação.

Pedro escutou o chamado: "Apascenta os meus cordeiros... Apascenta as minhas ovelhas!" No caso de Pedro, vemos como o amor germina e cresce. Mas o amor de Deus é eterno, pois o próprio Deus é o amor. Quando ficamos cheios do Espírito Santo, Ele nos une com Deus por meio de Cristo e assim Seu amor é implantado em nossa vida e começa a crescer.

Alegria pelo caminho


Lucas 24.32 E disseram um ao outro: Porventura não nos ardia o coração, quando ele pelo caminho nos falava, quando nos expunha as Escrituras?

O mais penoso para um filho de Deus é quando não entende mais o proceder de Deus. Foi isso o que aconteceu com esses discípulos que caminhavam juntos de Jerusalém a Emaús.

Ambos estavam profundamente abalados. Jesus – segundo o ponto de vista deles – os havia decepcionado. Eles pensavam que Jesus fosse o Messias de Israel, mas não entendiam como Ele se deixara executar numa cruz.

Por que Ele fez isso? Por que Ele não manifestou a Sua onipotência? Quando eles estavam conversando entre si sobre esse assunto, um forasteiro se juntou a eles. Eles derramaram todo o seu coração decepcionado e triste diante do Senhor que eles não reconheceram.

Mas o que eles ouviram da boca desse estranho? Palavras cheias de compaixão? Não! Está escrito: "E, começando por Moisés, discorrendo por todos os profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras." Mas ainda assim eles não se deram conta de que era o próprio Jesus que falava com eles. Só mais tarde, na ceia, eles O reconheceram.

Os dois, que desconfiaram de seu Senhor, experimentaram que justamente no momento de grande decepção Jesus estava o mais próximo possível deles! Jesus não só foi como ainda é maior que tudo! Ele quer transformar também a nossa decepção numa alegria maravilhosa!

Guardar a Palavra é Vida


João 8.51 Em verdade, em verdade vos digo: Se alguém guardar a minha palavra, não verá a morte, eternamente.

A pessoa normal não quer morrer. Isto já se pode observar num bebê recém-nascido. Ele cerra seus punhozinhos como se quisesse dizer: a vida que recebi não quero deixar nunca mais.

O homem moderno procura desesperadamente escapar da morte. Por isso tornou-se um empreendimento muito lucrativo o negócio com a ameaça de morrer. E apesar de todos os tratamentos para rejuvenescimento e renovação das células, ainda assim o homem não se livrou desse temor. Somente uma Pessoa conseguiu vencer a morte: Jesus Cristo.

Está escrito: "Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo." Este é o milagre da vitória de Jesus que, ao morrer, tirou o domínio daquele que tinha poder sobre a morte, quando Ele mesmo morreu. Mas a morte não conseguiu detê-lO.

Se você tem a este Jesus – que ainda hoje é maior que a morte – em seu coração, então você também está livre do medo e do poder da morte! Só assim você não mais verá a morte, pois Ele mesmo disse: "Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá."

Vamos pescar ?


Mateus 4.19,20 E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. Então eles deixaram imediatamente as redes, e o seguiram.

Quando o Senhor disse para Pedro: “... e te levará para onde não queres", este foi um novo e mais profundo chamado para o discipulado, pois Pedro já ouvira uma vez o chamado do Senhor no lago de Genesaré.

Depois da crucificação e ressurreição, o Senhor já havia chamado Pedro para o discipulado, dizendo: "Segue-me."
Por que então o Senhor o chamou uma segunda vez?

É que existem dois tipos de discipulado: um exterior e um interior. O discipulado exterior não tem como conseqüência a renovação do coração, de modo que a pessoa em questão não alcança uma vida frutífera e vitoriosa.

Mas o discipulado interior tem como consequência uma renovação radical.

A ausência de poder dos cristãos dos dias atuais tem sua origem no fato de seguirem o Senhor apenas exteriormente.

Queremos nos examinar seriamente, e orar: "Senhor, guarda-me de Te seguir apenas exteriormente." Aquele que não conhece o discipulado real, que não segue a Jesus de todo o coração, carrega as consequências: falta-lhe o poder do alto e em sua vida não há o amém que vem do santuário.

Este é o caminho !


Isaías 30.21 Quando te desviares para a direita e quando te desviares para a esquerda, os teus ouvidos ouvirão atrás de ti uma palavra, dizendo: Este é o caminho, andai por ele.

Um sinal dos tempos finais é que os filhos de Deus estão trilhando o caminho do engano nesse último pedaço de caminho que devem andar.

Afinal, o Senhor ainda conduz Seus filhos de maneira clara? É claro que sim! O Senhor os conduz de maneira clara, mas em nossos dias bem poucos estão dispostos a submeterem-se incondicionalmente à direção do Senhor.

Sermos conduzidos pelo Senhor exige que estejamos dispostos a nos deixar conduzir! O Senhor sempre nos conduz para onde não queremos. Ele exige a submissão total da vontade própria. Temos de nos deixar guiar para onde, por natureza, não queremos ir.

O Senhor não exige apenas uma coisa ou outra, Ele exige tudo! "Quando, porém, fores velho, estenderás as tuas mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres." Para que isso aconteça não é necessário que primeiro fiquemos velhos, pois essa palavra que o Senhor Jesus falou vale para todos nós. Você está disposto a submeter a sua vontade própria ao Senhor, não importando qual seja a área da sua vida? Isto não significa outra coisa do que nos deixar transformar e conduzir para onde não queremos ir.

Não duvide !


Tiago 1.6-7 Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa.

O que significa orar com fé? Significa confiar nas promessas de Deus na oração. Não podemos orar à toa.

Existem pessoas que dizem: "Você só precisa ter fé, e terá tudo o que pedir", mas se enganam redondamente. Em cada situação, necessitamos de uma promessa bem definida de Deus na qual podemos depositar a nossa fé.

Esta é a realidade maravilhosa: as promessas existem! Por exemplo, quando estamos solitários: "E eis que estou convosco todos os dias." Quando nos sentimos fracos: “... o poder se aperfeiçoa na fraqueza." Ou preocupados: “... lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós." Quando estamos tristes: “... não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força." Ou enfermos: “... eu sou o Senhor que te sara."

Para cada situação específica, Deus deu uma promessa específica para que, pela fé, possamos nos fundamentar concretamente em Sua Palavra.

A oração é a mais alta expressão da fé, isso quer dizer que você não deve mais se deixar determinar pelas coisas visíveis, mas pelas invisíveis, pelo Deus eterno!

O dia é hoje


Mateus 6.34 Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal.

A maioria das pessoas vive do passado, para o bem e para o mal. Quando é para o bem, na maioria das vezes só o é em razão de que é um passado bem saudoso!

Quando é para o mal, é porque é um passado angustiadamente culpado ou amargurado!

Dizem os especialistas que 70% da energia que as pessoas gastam são dedicadas as questões do passado! O passado é o maior Anti-Presente que alguém pode ter. Mesmo quando é, pois nunca deixa de ser um bom passado!

Hoje é o dia! Ontem foi! Amanhã está sendo construído agora! Portanto, esquecendo das coisas que para trás ficam, caminhemos para as que adiante de nós estão!

Há coisas que estão adiante... Há coisas que estão diante... Em ambos os casos só se avança se hoje for o dia... Sendo assim, vamos adiante e apressemos as coisas... Pois os dias são maus! Jesus disse que basta a cada dia o seu próprio mal!

A vida se torna impossível quando além do mal de hoje eu ainda tenho que viver do mal de ontem! Deus não era o Deus de Abraão! Ele é o Deus de Abraão! Ele é Deus de vivos, não de mortos, pois, para Ele todos vivem! Assim, um bom Dia Chamado Hoje para você!

Vencendo o diabo - Parte I


Apocalipse 12.10,11 Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus. Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida.

Essa passagem fala, em princípio, do tempo da Grande Tribulação, e se refere àqueles que saem dela como vencedores. Contudo, nesses versículos também podemos aprender alguns princípios para a vida em nossa época. Todos que crêem em Jesus Cristo se defrontam com o mesmo acusador, e só podemos vencê-lo da maneira como lemos nessa passagem.

Quem é nosso adversário na batalha espiritual?
Em Apocalipse 12.9, o inimigo é descrito da seguinte maneira: "...o grande dragão, a antiga serpente, que se chama Diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo..." Ele é o acusador, que nos acusa de dia e de noite diante de Deus.

Com olhar maligno ele nos observa em tudo que fazemos ou deixamos de fazer e se empenha ao máximo para poder nos acusar constantemente diante de Deus.
A tática de Satanás é a mesma de sempre: primeiro ele faz com que pequemos com facilidade, e depois torna o perdão muito difícil.

A situação de muitos cristãos hoje em dia não é nada fácil. No mundo espiritual estão acontecendo muitas coisas, pois Jesus voltará em breve. Por isso também sentimos o aumento das tribulações em nosso espírito. A maldade dos tempos finais aumenta, e esses ventos também chegam às portas dos cristãos. Muitos têm se queixado de depressão, melancolia, estado de irritação e desânimo – outros sentem-se cansados, miseráveis e não têm mais capacidade para nada.

As acusações mútuas, assim como as auto-acusações, têm aumentado. Muitos estão prestes a resignar. As tentações de todo tipo quase não podem ser mais superadas. Tudo isso acontece porque o Senhor virá em breve, e a influência demoníaca em nosso mundo tem aumentado.

O caminho da vitória.

Justamente diante das crescentes tribulações em nossos dias, é necessário vencer triunfalmente o inimigo no dia-a-dia. Em Apocalipse 12.11 nos é mostrado claramente o caminho triplíce para isso: "Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida".

1. Pelo sangue do Cordeiro
"Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro..." Diante do sangue do Cordeiro, o diabo tem de parar. Ali ele está vencido. Ali qualquer acusação perde seu peso. Essa verdade nos é apresentada de maneira figurada na catedral de Bamberg (Alemanha):
Nela há uma representação do Juízo Final esculpida na rocha. O anjo do juízo tem uma balança na mão. No prato da balança se encontram livros grossos, evidentemente o registro dos pecados. Pequenos diabinhos se penduram neste prato e tentam puxá-lo para baixo. Mas eles não o conseguem, embora o outro prato esteja quase vazio. Nele se encontra apenas um pequeno cálice da Santa Ceia. O sangue de Jesus pesa mais do que todos os nossos pecados.
É muito importante que nos firmemos no perdão que nos foi outorgado, que creiamos firmemente nele e nos gloriemos no sangue de Jesus.

O sangue de Jesus Cristo derramado no Calvário é o poder que rasgou e cancelou a nossa nota promissória (Colossensses 2.14). Uma dívida que foi liquidada por ter sido paga não pode mais ser utilizada como acusação contra nós.

Vencendo o diabo - Parte II


2. Por causa da palavra do testemunho que deram

Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram..." A Bíblia Viva diz: "Eles o derrotaram pelo sangue do Cordeiro e pelo testemunho deles; pois não amaram as suas vidas, mas as entregaram a Ele.

Não apenas é importante confiar no sangue de Jesus e conhecer o seu poder, mas também aplicá-lo no testemunho. Em outras palavras: a vitória sobre o inimigo acontece baseada na morte de Cristo e em nosso testemunho a respeito do valor dessa morte. Precisamos saber que o poder está sempre na Palavra de Deus. No momento em que reivindicamos a Palavra de Deus para nós, o sangue de Jesus torna-se eficaz.

É como no caso de uma herança que você recebeu de presente. Para que o inimigo não mais possa reivindicá-la e a herança passe a ser sua ou se torne eficaz para você, é preciso um testamento escrito.

Esse documento com a assinatura do testador lhe garante a herança. Nenhuma outra pessoa pode reivindicar ou tirar-lhe esta herança. Todas as acusações ricocheteiam quando confrontadas com a Palavra de Deus. A respeito, um relato interessante:

O porteiro de um hotel lia muito em sua Bíblia, principalmente durante a noite. Quando não a estava usando, ele a carregava sempre no bolso sobre o peito. Um dia ele foi assaltado. O delinqüente atirou nele – mas a bala, que estava destinada ao seu coração, ficou cravada na sua Bíblia. A Bíblia salvou a sua vida!
Quando somos assaltados por tentações ou quando o inimigo nos acusa, fazemos bem em buscar a Palavra de Deus. Davi orou: "Ao meu coração me ocorre: Buscai a minha presença, buscarei, pois, Senhor, a tua presença" (Salmo 27.8).

O Senhor Jesus nos anima a orar com base na Palavra de Deus e a confiar nela: "Por isso, vos digo que tudo quanto em oração pedirdes, crede que recebestes, e será assim convosco" (Marcos 11.24).

É uma honra para Deus se confiamos na Sua Palavra, e da nossa parte trata-se de expressão da nossa fé. Consideremos a Sua Palavra como verdade (Salmo119.142).

Vencendo o diabo - Parte III


3. Por estarem crucificados juntos com Ele

Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida.

Para alcançarmos uma vitória real, devemos, sem dúvida, entregar nossa própria vida.

Ao seguirmos o Cordeiro de Deus, o amor a nós mesmos é o maior empecilho no trabalho para o Senhor. Muitas brigas, intolerância, acusações e irritação só se manifestam porque ainda amamos tanto a nossa própria vida.

Os cristãos mencionados em Apocalipse 12.11, "...mesmo em face da morte, não amaram a própria vida.

O caminho após o Cordeiro é um caminho de morte. É o mais difícil, mas também o mais frutífero. A morte de Jesus produziu o maior fruto (Isaías 53.11-12). Por isso a essência do discipulado é tornar-me semelhante a Jesus em Sua morte (Filipenses 3.10).

Porém, como pode ser trágico quando filhos de Deus não seguem o caminho após o Cordeiro integralmente. Se seguem a Jesus pela metade, de uma maneira desleixada, isso produz um grande peso tanto para eles como para o meio em que vivem.

Através de coisas insignificantes, por ninharias, o velho inimigo consegue prendê-los repetidamente. Por isso o profeta Jonas, que no início não quis seguir o caminho da obediência total, clamou na barriga do grande peixe: "Os que observam as falsas vaidades deixam a sua misericórdia" (Jonas 2.8, Ed. Corrigida e Revisada).

E o apóstolo Paulo testemunha em sua segunda carta a Timóteo: "Fiel é a palavra: Se já morremos com ele, também viveremos com ele" (II Timóteo 2.11). Aos cristãos de Roma ele escreveu: "Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis" (Romanos 8.13). Por isso somos conclamados: "Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria" (Colossensses 3.5).

Resumindo: a vitória sobre a maldade dos tempos finais, o caminho da vitória, a conquista da vitória na vida espiritual consiste única e exclusivamente em seguir a Jesus de maneira absoluta. E essa caminhada se apóia na obra consumada por Jesus na cruz do Calvário (sangue), em um testemunho fiel (confiança e fé) e na disposição de entregar a própria vida à morte (ser crucificado com Cristo). Faça isso, e você vencerá o diabo e todos os seus ataques traiçoeiros!

Tempestade à vista


Certa vez o Senhor Jesus disse às pessoas de Seu tempo: "e, pela manhã (dizeis): Hoje, haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Sabeis, na verdade, discernir o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos?" (Mateus 16.3).

Na passagem paralela no Evangelho de Lucas está escrito: "Disse também às multidões: Quando vedes aparecer uma nuvem no poente, logo dizeis que vem chuva, e assim acontece; e, quando vedes soprar o vento sul, dizeis que haverá calor, e assim acontece. Hipócritas, sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu e, entretanto, não sabeis discernir esta época?" (Lucas 12.54-56).

Mais do que nunca devemos obedecer a essas palavras de Jesus, pois vivemos numa época em que a Sua volta se delineia cada vez mais no horizonte. Deveríamos reconhecer que os acontecimentos atuais na política, economia, religião e cultura se levantam como nuvens pesadas, que num primeiro momento anunciam um temporal iminente. Mas sabemos que depois da tempestade o Sol voltará a aparecer.

Em todo o mundo são tomadas decisões de alcance global e acontecem coisas que têm influência por todo o globo terrestre e que não prometem nada de bom. É importante reconhecermos as conexões entre os fatos, não de maneira especulativa, mas de forma biblicamente sóbria, aguardando os acontecimentos vindouros com os olhos bem abertos.

Ao mesmo tempo é igualmente importante que chamemos a atenção do nosso próximo para o Evangelho, para a palavra profética e para a volta de Jesus.

Certamente também faz parte dessa atitude de discernir o tempo em que vivemos que leiamos as notícias e nos mantenhamos informados sobre as coisas que acontecem ao nosso redor, para que possamos julgar os sinais dos tempos à luz da Palavra de Deus e para que oremos conscientemente por esses acontecimentos.

As nuvens do juízo que está por vir se ajuntam cada vez mais. O arrebatamento da Igreja pode acontecer a qualquer momento. E o "Sol da justiça" nascerá outra vez depois da Grande Tribulação, por ocasião da vinda visível de Jesus Cristo.

O profeta Daniel era um homem da Palavra e um homem de oração. Ele prestava atenção aos sinais dos tempos (Daniel 9.2-3) e Deus iluminou seu entendimento, fazendo-o compreender o contexto político da sua época como também o futuro à luz do Plano de Salvação. Façamos o mesmo!

Honras e honras


João 12.43 Porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus.

Gálatas 5.26 Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros.

Jesus insistiu em que nesta vida não nos empolgássemos com honra e nem nos afligíssemos com a desonra.

Chegou mesmo a dizer que aquilo que é elevado entre os homens é abominação diante de Deus. Assim, aprendemos com Ele que favor e desfavor geram angústia.

Honras geram dissabores para o ego que a elas se atrela e vicia. Por que é que favor e desfavor geram dissabores? Porque quem espera favor paira na incerteza, sem saber se o receberá. Quem recebe favor também paira na incerteza: não sabe se o conservará. Por isto ambas as coisas causam dissabor, tanto a favor como o desfavor.

Por que é que as honras geram dissabor? Ora, todo dissabor nasce do fato de alguém ser um eu devotado ao “si-mesmo”. E não é possível contentar o ego com o “si-mesmo”.

Se eu pudesse libertar-me do ego servo do “mim-mesmo”, não haveria mais dissabores para mim. Por isto, quem se mantém liberto de favores e de desfavores liberta-se da idolatria do “si-mesmo”.

Só pode possuir o Reino quem esta disposto a servir desinteressado. Esse que busca o Reino em primeiro lugar, não busca nada mais em segundo. Para quem entrou no Reino todas as coisas são primeiras, e as primeiras coisas são uma só: o Reino. Desse modo, sendo o homem de fé um ser da primeira e única coisa, todas as demais lhe são acrescentadas.

Novidade à frente


Josué 3.4 Contudo, haja a distância de cerca de dois mil côvados entre vós e ela. Não vos chegueis a ela, para que conheçais o caminho pelo qual haveis de ir, visto que, por tal caminho, nunca passastes antes.

Quando ficamos amortecidos numa rotina, nada é novo para nós.

Acostumamo-nos com tudo. Sempre os mesmos caminhos, as mesmas palavras, as mesmas atitudes, nada é novo!

Aquele povo que andou 40 anos pelos mesmos lugares achavam que conheciam e tinham visto tudo naquele deserto. Mas Deus declarou que eles conheceriam um caminho nunca visto antes.

Mas como conhecer um novo caminho? Eles andaram por 40 anos por todos aqueles lugares. E olha que o deserto era consideravelmente pequeno.

Mas Deus tinha a novidade para eles. Um novo caminho que os levariam para a conquista da terra prometida. Nunca diga que não há mais nada para você saber ou viver. Deus quer te mostrar um Caminho que você nunca viu. E ter experiências que você nunca teve. ELE tem a novidade de vida para você.

I Coríntios 2.9 Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.

Seis marcos esclarecedores de Mateus 24 / Primeiro Marco: "Ainda não é o fim"

Em Mateus 24, Jesus usa seis expressões que são muito úteis na subdivisão do capítulo e para sua melhor compreensão:

1.Ainda não é o fim (Mateus 24.6).
2.O princípio das dores (v.8).
3.A tribulação (v.9).
4.O fim (v.14).
5.O abominável da desolação (v.15).
6.Em seguida à tribulação (v.29).

Essas seis expressões servem de marcos referenciais, uma vez que cada uma delas delimita um tempo específico e introduz uma nova fase nos acontecimentos proféticos.

Primeiro marco: ainda não é o fim

Mateus 24.4-6 E ele lhes respondeu: Vede que ninguém vos engane. Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos. E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim.

Aqui Jesus fala de um tempo que ainda não é o fim, mas que é uma condição imediatamente anterior a ele, ou seja, que conduz ao fim lenta mas inexoravelmente.

Nos versículos 4 e 5 o Senhor Jesus menciona a primeira onda de enganos dos tempos finais, a sedução em nível político, ideológico e religioso.

Marx, Lenin e Engels, do socialismo surgiu o comunismo (1917).

Depois que o cristianismo havia se firmado e expandido na Ásia Menor e na Europa (até a Reforma), veio o grande engano. Novos arautos da salvação começaram a se manifestar e toda a Europa foi seduzida pelo engano. Alguns tópicos desse processo enganoso: o Iluminismo, o tempo dos grandes filósofos, a teoria da evolução, as muitas seitas, a teologia do “Deus está morto”.

Então veio o marxismo-leninismo; do socialismo surgiu o comunismo (1917). A partir de 1932, quando o nacional-socialismo se levantou na Alemanha, homens como Hitler, Goebbels e Himmler foram os novos salvadores (messias), e na Itália o falso salvador foi Mussolini.

Esse levante generalizado, oriundo do reino das trevas, do Iluminismo ao comunismo e ao nacional-socialismo (nazismo), intensificou-se no período em que os judeus voltaram para sua terra, a partir de 1882.

Mateus 24.6 E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras...

A Primeira e a Segunda Guerra foram chamadas de guerras mundiais porque, até então, nada semelhante havia sucedido na História da humanidade. Ambas foram devastadoras: a Primeira Guerra Mundial ceifou a vida de 10 milhões de pessoas, a Segunda Guerra Mundial custou a vida de 55 milhões.

Na verdade, elas tiveram de acontecer, mas ainda não significavam o fim: “porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim” (v.6). Certamente elas se originaram no reino das trevas, porém, por direcionamento divino foram fatores-chave para a fundação do Estado de Israel. A Primeira Guerra Mundial preparou uma terra para um povo; a Segunda Guerra Mundial preparou um povo para essa mesma terra.

É impossível frustrar os desígnios de Deus!